'Garanto que o relatório da CPI será alterado'

Vice-presidente da CPI da Petrobras, o deputado Antônio Imbassahy, do PSDB, considera "inaceitável" o fato de o relator da comissão, Luiz Sérgio (PT-RJ), ter isentado no seu relatório o nome da presidente Dilma Rousseff de responsabilidade pelo esquema de corrupção instalado na estatal; conforme Imbassahy, o parecer do petista "partiu do princípio de que foi formado um cartel para assaltar a empresa, com a participação de maus funcionários"; "Meu entendimento é diferente. Eu acho que foi instalada uma organização criminosa na companhia, sob o comando do Palácio do Planalto"

Vice-presidente da CPI da Petrobras, o deputado Antônio Imbassahy, do PSDB, considera "inaceitável" o fato de o relator da comissão, Luiz Sérgio (PT-RJ), ter isentado no seu relatório o nome da presidente Dilma Rousseff de responsabilidade pelo esquema de corrupção instalado na estatal; conforme Imbassahy, o parecer do petista "partiu do princípio de que foi formado um cartel para assaltar a empresa, com a participação de maus funcionários"; "Meu entendimento é diferente. Eu acho que foi instalada uma organização criminosa na companhia, sob o comando do Palácio do Planalto"
Vice-presidente da CPI da Petrobras, o deputado Antônio Imbassahy, do PSDB, considera "inaceitável" o fato de o relator da comissão, Luiz Sérgio (PT-RJ), ter isentado no seu relatório o nome da presidente Dilma Rousseff de responsabilidade pelo esquema de corrupção instalado na estatal; conforme Imbassahy, o parecer do petista "partiu do princípio de que foi formado um cartel para assaltar a empresa, com a participação de maus funcionários"; "Meu entendimento é diferente. Eu acho que foi instalada uma organização criminosa na companhia, sob o comando do Palácio do Planalto" (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247 - Vice-presidente da CPI da Petrobras, o deputado Antônio Imbassahy, do PSDB, considera "inaceitável" o fato de o relator da comissão, Luiz Sérgio (PT-RJ), ter isentado no seu relatório, apresentado nesta segunda-feira (19) o nome da presidente Dilma Rousseff de responsabilidade pelo esquema de corrupção instalado na estatal.

Conforme Imbassahy, o parecer do petista "partiu do princípio de que foi formado um cartel para assaltar a empresa, com a participação de maus funcionários".

"O meu entendimento é diferente. Eu acho que foi instalada uma organização criminosa na companhia, sob o comando do Palácio do Planalto. O ex-presidente Lula e a presidente Dilma nomearam quatro diretores, que inclusive estão presos, para roubar a Petrobras", disse o tucano em entrevista à rádio Metrópole nesta manhã.

O deputado disse que da forma como foi elaborado, o relatório "frustrou a maioria dos integrantes do colegiado". Ele acrescentou que a proposta já está sendo submetida a discussões e debates, que ocorrerão até amanhã (22). 

"Nós não trabalhamos oito meses para apresentar um relatório que frustrasse a população brasileira. Nós temos que fazer os indiciamentos, com as propostas de penalizações, e a modernização da legislação. Certamente esse trabalho será alterado. Posso garantir que esse não será o relatório final da CPI da Petrobras".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247