Geddel: César achava Wagner "incompetente"

Antigos aliados de oposição do ministro César Borges estavam engasgados com seu apoio incondicional ao PT e o primeiro a disparar artilharia pesada foi Geddel Vieira Lima; em sua conta no Facebook, peemedebista disse que era "contraditória" declaração favorável do ex-governador à continuidade do projeto petista na Bahia; "Se a continuidade é tão importante, em si mesmo, porque você não apoiou a continuidade de JW (Jaques Wagner) em 2010? Não foi por que era incompetente, como me dizia?"; César Borges tentou se reeleger senador em 2010 pela chapa de Geddel; não conseguiu

Antigos aliados de oposição do ministro César Borges estavam engasgados com seu apoio incondicional ao PT e o primeiro a disparar artilharia pesada foi Geddel Vieira Lima; em sua conta no Facebook, peemedebista disse que era "contraditória" declaração favorável do ex-governador à continuidade do projeto petista na Bahia; "Se a continuidade é tão importante, em si mesmo, porque você não apoiou a continuidade de JW (Jaques Wagner) em 2010? Não foi por que era incompetente, como me dizia?"; César Borges tentou se reeleger senador em 2010 pela chapa de Geddel; não conseguiu
Antigos aliados de oposição do ministro César Borges estavam engasgados com seu apoio incondicional ao PT e o primeiro a disparar artilharia pesada foi Geddel Vieira Lima; em sua conta no Facebook, peemedebista disse que era "contraditória" declaração favorável do ex-governador à continuidade do projeto petista na Bahia; "Se a continuidade é tão importante, em si mesmo, porque você não apoiou a continuidade de JW (Jaques Wagner) em 2010? Não foi por que era incompetente, como me dizia?"; César Borges tentou se reeleger senador em 2010 pela chapa de Geddel; não conseguiu (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247 - Como era de se esperar, causa estranheza no cenário político baiano as calorosas declarações de fidelidade e os elogios proferidos pelo ministro dos Transportes, César Borges, aos governos da presidente Dilma Rousseff e de Jaques Wagner.

Ex-governador da Bahia pelo antigo PFL (hoje DEM), César Borges tentou se reeleger ministro em 2010 já pelo PR, mas pela chapa de oposição a Wagner encabeçada pelo peemedebista Geddel Vieira Lima.

Já a partir de 2011 o ex-carlista começou a dar sinais de que estava tentado a aderir ao governo Wagner e o primeiro passo foi dado em 2012, quando selou apoio do PR ao então candidato petista à Prefeitura de Salvador, Nelson Pelegrino, que perdeu a quarta tentativa, desta vez para o democrata ACM Neto (DEM).

Ex-governador já começou a colher seus frutos daí em diante. Dilma lhe nomeou vice-presidente de governo do Banco do Brasil pela cota do PR.

E a movimentação se concretizou no ano passado, quando a presidente lhe indicou para o Ministério dos Transportes. César Borges deu uma guinada no PR baiano, que de líder da oposição, passou a aliado de primeira linha de Jaques Wagner.

Mas como dito acima, seus antigos aliados de oposição estavam engasgados e o primeiro a disparar artilharia pesada contra o ministro foi o peemedebista Geddel Vieira Lima.

Em sua conta no Facebook, Geddel disse que era "contraditória" declaração favorável de César Borges à continuidade do projeto petista na Bahia.

"Se a continuidade é tão importante, em si mesmo, porque você não apoiou a continuidade de JW (Jaques Wagner) em 2010? Não foi por que era incompetente, como me dizia?", questionou o ex-ministro Geddel Vieira Lima.

Em entrevista ao jornal Tribuna da Bahia, César disse que "quatro anos é pouco para fazer mudança e oito anos mais ou menos", em referência aos dois mandatos de Jaques Wagner e fazendo coro pela eleição de Rui Costa, aposta do PT para dar continuidade ao 'projeto'.

O vice-líder do PMDB na Câmara Federal, deputado Lúcio Vieira Lima, também viu contradição do afilhado do ex-governador e ex-senador ACM, líder do carlismo.

"Esse discurso não vai enganar a população. Suponho que há quatro anos ele discordava dos projetos que estavam sendo feitos".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email