Geddel deve comandar articulação política de Temer

Pioneiro no movimento pelo fim da aliança com o PT, o presidente do PMDB na Bahia, Geddel Vieira Lima, deve assumir a articulação política do governo Michel Temer, caso o vice assuma a presidência; revelação da possível escolha de Geddel para o cargo foi feita pelo próprio Temer; "Ainda não decidi quem seria [o articulador político], caso eu assuma mesmo a Presidência. Mas o Geddel, que se dá bem com todo mundo no Congresso, poderia exercer esse papel", afirma o vice

Pioneiro no movimento pelo fim da aliança com o PT, o presidente do PMDB na Bahia, Geddel Vieira Lima, deve assumir a articulação política do governo Michel Temer, caso o vice assuma a presidência; revelação da possível escolha de Geddel para o cargo foi feita pelo próprio Temer; "Ainda não decidi quem seria [o articulador político], caso eu assuma mesmo a Presidência. Mas o Geddel, que se dá bem com todo mundo no Congresso, poderia exercer esse papel", afirma o vice
Pioneiro no movimento pelo fim da aliança com o PT, o presidente do PMDB na Bahia, Geddel Vieira Lima, deve assumir a articulação política do governo Michel Temer, caso o vice assuma a presidência; revelação da possível escolha de Geddel para o cargo foi feita pelo próprio Temer; "Ainda não decidi quem seria [o articulador político], caso eu assuma mesmo a Presidência. Mas o Geddel, que se dá bem com todo mundo no Congresso, poderia exercer esse papel", afirma o vice (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247 - Pioneiro no movimento pelo fim da aliança com o PT, o presidente do PMDB na Bahia, Geddel Vieira Lima, deve assumir a articulação política do governo Michel Temer, caso o vice assuma de fato a presidência da República após possível impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Revelação de uma possível escolha de Geddel para o cargo foi feita pelo próprio Temer, em entrevista ao jornal O Globo. "Ainda não decidi quem seria [o articulador político], caso eu assuma mesmo a Presidência. Mas o Geddel, que se dá bem com todo mundo no Congresso, poderia exercer esse papel", afirmou o vice.

Geddel foi ministro da Integração Nacional no governo Lula, de 2007 a 2010, quando decidiu romper o então governador da Bahia, Jaques Wagner (PT). No primeiro mandato de Dilma, foi vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa. Ele disputou as eleições de 2010, como candidato a governador, e de 2014, concorrendo ao Senado. Foi derrotado em ambas.

Lista da OAS

Relatório da Polícia Federal mostra que, no exercício do cargo na Caixa, Geddel atuou na Secretaria da Aviação Civil da Presidência e junto à prefeitura de Salvador para atender a diferentes interesses da construtora OAS tendo pedido inclusive recursos à empreiteira para campanhas de aliados no interior da Bahia e para sua própria candidatura ao Senado em 2014.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247