Genecias é condenado por contratar servidores sem concurso

O deputado federal Genecias Noronha (SD) foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Ceará pela contratação de até 2,6 mil servidores sem concurso em sua gestão como prefeito do município de Parambu. A pena é de suspensão dos direitos políticos por três anos e multa de até 15 vezes seu salário à época. Ainda cabe recurso

O deputado federal Genecias Noronha (SD) foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Ceará pela contratação de até 2,6 mil servidores sem concurso em sua gestão como prefeito do município de Parambu. A pena é de suspensão dos direitos políticos por três anos e multa de até 15 vezes seu salário à época. Ainda cabe recurso
O deputado federal Genecias Noronha (SD) foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Ceará pela contratação de até 2,6 mil servidores sem concurso em sua gestão como prefeito do município de Parambu. A pena é de suspensão dos direitos políticos por três anos e multa de até 15 vezes seu salário à época. Ainda cabe recurso (Foto: Rodrigo Rocha)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ceará247 - Segundo deputado federal mais votado no Ceará em 2014, Genecias Noronha (SD) foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Ceará (TJ-CE) pela contratação de até 2,6 mil servidores sem concurso em sua gestão como prefeito do município de Parambu, entre 2005 e 2008. Com isso, o parlamentar teve seus direitos políticos suspensos por três anos e terá que pagar multa de até 15 vezes seu salário de quando foi prefeito.

De acordo com a desembargadora Maria de Fátima Loureiro, relatora do caso, houve má-fé “patente” nas contratações. “Ao contratar e manter servidores sem concurso na administração pública, o ex-prefeito frustou a licitude da escolha democrática”, disse. Genecias ainda pode entrar com recurso. O deputado ainda não se manifestou sobre o assunto.

(Com informações do jornal O Povo)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247