Geo questiona contratos para o Capital da Fé

O vereador professor Junior Geo se posicionou em relação as discussões do evento Palmas Capital da Fé; a Prefeitura de Palmas investirá mais de R$ 909 mil apenas com o cachê de artistas para o evento; todos os contratos foram feitos sem licitação e publicados no Diário Oficial do Município; "Nosso questionamento não está relacionado ao evento e a religiosidade envolvida. O que cobramos são os contratos, as despesas e as licitações. Afinal, fomos eleitos para fiscalizar a aplicação de todo e qualquer recurso", disse

O vereador professor Junior Geo se posicionou em relação as discussões do evento Palmas Capital da Fé; a Prefeitura de Palmas investirá mais de R$ 909 mil apenas com o cachê de artistas para o evento; todos os contratos foram feitos sem licitação e publicados no Diário Oficial do Município; "Nosso questionamento não está relacionado ao evento e a religiosidade envolvida. O que cobramos são os contratos, as despesas e as licitações. Afinal, fomos eleitos para fiscalizar a aplicação de todo e qualquer recurso", disse
O vereador professor Junior Geo se posicionou em relação as discussões do evento Palmas Capital da Fé; a Prefeitura de Palmas investirá mais de R$ 909 mil apenas com o cachê de artistas para o evento; todos os contratos foram feitos sem licitação e publicados no Diário Oficial do Município; "Nosso questionamento não está relacionado ao evento e a religiosidade envolvida. O que cobramos são os contratos, as despesas e as licitações. Afinal, fomos eleitos para fiscalizar a aplicação de todo e qualquer recurso", disse (Foto: Leonardo Lucena)

Tocantins 247 - O vereador professor Junior Geo se posicionou, nesta quarta-feira (22), em relação as discussões do evento Palmas Capital da Fé. A Prefeitura de Palmas investirá mais de R$ 909 mil apenas com o cachê de artistas para o evento. Todos os contratos foram feitos sem licitação e publicados no Diário Oficial do Município, na segunda-feira (20). 

"Nosso questionamento não está relacionado ao evento e a religiosidade envolvida. O que cobramos são os contratos, as despesas e as licitações. Afinal, fomos eleitos para fiscalizar a aplicação de todo e qualquer recurso", esclareceu.

Na ocasião, os vereadores comentaram sobre a dificuldade de ter acesso aos documentos e processos para cumprir a função que lhes cabe de fiscalizar as ações do Executivo. Não discutiram posicionamentos sobre o evento em si, mas sobre o dinheiro público empenhado nos shows, pois independente das intenções religiosas, os contratos continuam devendo seguir a legislação.

Trâmites da Lei Orçamentária Anual

Junior Geo também aproveitou para cobrar os anexos obrigatórios a Lei Orçamentária Anual (LOA) que ainda não foram acrescentados. "Mesmo a presidência desta Casa afirmando que esses anexos já foram acrescentados à LOA, proponho que qualquer vereador desse plenário tente encontrá-los para me apresentar", questionou Geo.

Fiscalização

Sobre as cópias dos processos de contratação dos serviços de aerolevantamento da capital, o parlamentar explicou que recebeu resposta da secretaria responsável informando que essa solicitação deve ser feita via requerimento. Em relação ao assunto, Geo cobrou que a "Lei da Transparência seja cumprida e que esses processos estejam disponíveis sem que sejam solicitados de forma documental".

Aprovação

Durante a sessão, o requerimento do vereador Junior Geo que pede instalação e revitalização de placas de trânsito e placas dos endereços públicos em Palmas foi aprovado.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247