Gestão de Vitti economiza R$ 26 milhões na Alego

Em seis meses de gestão, o presidente da Assembleia Legislativa, José Vitti (PSDB), reduziu em 15% o valor gasto no funcionamento da Casa; economia de R$ 26,63 milhões, se comparados os valores gastos de janeiro a julho de 2016 com o mesmo período de 2017, deve-se a investimentos que retraíram os valores gastos pela Casa, conforme explicou o presidente do Legislativo, José Vitti

vitti
vitti (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247 - Em seis meses de gestão, o presidente da Assembleia Legislativa, José Vitti (PSDB), reduziu em 15% o valor gasto no funcionamento da Casa. A economia obtida é reflexo do trabalho de modernização e desburocratização que impactaram positivamente o orçamento. A informação consta de reportagem publicada na edição desta segunda-feira, 14, do jornal O Popular.

A economia de R$ 26,63 milhões, se comparados os valores gastos de janeiro a julho de 2016 com o mesmo período de 2017, deve-se a investimentos que retraíram os valores gastos pela Casa, conforme explicou o presidente do Legislativo, José Vitti.

“A terceirização da frota de veículos, que reduziu os custos com manutenção, seguro e licenciamento, e o investimento em telefonia e internet que resultou em uma economia de mais de R$ 1 milhão, foram algumas das medidas de redução de despesas que adotamos para este ano”, explicou Vitti.

Ele destacou ainda que sua equipe administrativa tem trabalhado em projetos que visam desburocratizar a máquina pública, especialmente revendo contratos, racionalizando procedimentos e enxugando despesas.

O contingenciamento, decretado pelo governador Marconi Perillo (PSDB), e a PEC do Tetos dos Gastos também contribuíram para essa economia. “A economia não vai parar por aí. Estamos implementando outras medidas para gerar uma redução de gastos ainda maior até o final do ano”, ressaltou o presidente.

CONCURSO

Com a posse dos concursados no último certame, o presidente voltou a ressaltar que a gestão já planeja a realização de um novo concurso até o final de sua gestão, no próximo ano. “A meta é aumentar o número de efetivos na Casa, embora cada concursado, dependendo do cargo, custe três ou quatro vezes mais do quem um comissionado”, disse.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247