Gestão Doria orientou Ambev a superfaturar licitação do Carnaval

Gestão do prefeito João Doria (PSDB), defendido como o "novo" PSDB por Fernando Henrique Cardoso, direcionou a concorrência pelo patrocínio do Carnaval de rua para que a proposta da Ambev vencesse a licitação; informação aparece em áudio de reunião da secretaria municipal de Cultura, no dia 17 de fevereiro, da qual participaram o secretário de Governo, Julio Semeghini, e o da Cultura, André Sturm; no encontro, divulgado pela rádio CBN, há o comentário que o vice-prefeito Bruno Covas (PSDB) orientou os integrantes da Ambev e da Dream Factory a alterar os itens da planilha da proposta para justificar despesas de R$ 15 milhões

Gestão do prefeito João Doria (PSDB), defendido como o "novo" PSDB por Fernando Henrique Cardoso, direcionou a concorrência pelo patrocínio do Carnaval de rua para que a proposta da Ambev vencesse a licitação; informação aparece em áudio de reunião da secretaria municipal de Cultura, no dia 17 de fevereiro, da qual participaram o secretário de Governo, Julio Semeghini, e o da Cultura, André Sturm; no encontro, divulgado pela rádio CBN, há o comentário que o vice-prefeito Bruno Covas (PSDB) orientou os integrantes da Ambev e da Dream Factory a alterar os itens da planilha da proposta para justificar despesas de R$ 15 milhões
Gestão do prefeito João Doria (PSDB), defendido como o "novo" PSDB por Fernando Henrique Cardoso, direcionou a concorrência pelo patrocínio do Carnaval de rua para que a proposta da Ambev vencesse a licitação; informação aparece em áudio de reunião da secretaria municipal de Cultura, no dia 17 de fevereiro, da qual participaram o secretário de Governo, Julio Semeghini, e o da Cultura, André Sturm; no encontro, divulgado pela rádio CBN, há o comentário que o vice-prefeito Bruno Covas (PSDB) orientou os integrantes da Ambev e da Dream Factory a alterar os itens da planilha da proposta para justificar despesas de R$ 15 milhões (Foto: Charles Nisz)

SP 247 - Com 3,5 milhões de foliões, o público do Carnaval de São Paulo em 2017 foi recorde. O patrocinador tem exclusividade em expor sua marca, fazendo a concorrência ser muito cobiçada. O edital previa que a vencedora seria a empresa que gastasse mais em itens como segurança, limpeza, banheiros químicos e ambulâncias.

Contratada pela Ambev, a agência Dream Factory venceu a disputa, pois as três outras propostas concorrentes foram impugnadas. Mas a agência SRCOM, parceira da Heineken, recorreu. Em janeiro, ela foi recolocada na disputa. O valor da proposta da Dream Factory foi de R$ 15 milhões. A da SRCOM, de R$ 8,5 milhões. A comissão avaliadora viu que, na proposta da Dream Factory, apenas R$ 2,6 milhões eram itens de interesse público. Na da SRCOM, esses itens somavam R$  5,1 milhões.

A comissão avaliadora escolheu a proposta da Heineken, mas a gestão Doria passou por cima da decisão. A informação aparece em um áudio de uma reunião da Secretaria de Cultura de São Paulo, obtido pela rádio CBN. Na reunião, há o comentário que o vice-prefeito Bruno Covas orientou os integrantes da Ambev e da Dream Factory a alterar os itens da planilha da proposta para justificar os 15 milhões. Participaram desta reunião o secretário de Governo, Julio Semeghini, e o da Cultura, André Sturm. 

O encontro aconteceu em 17 de fevereiro, véspera do pré-carnaval. O áudio mostra que empresa e gestão ainda discutiam os valores da proposta 20 dias depois da escolha ter sido homologada. A Dream Factory reclamava que, àquela altura, não poderiam inflar os valores como Sturm estava pedindo.

Leia reportagem da CBN sobre o assunto. 

Ao vivo na TV 247 Youtube 247