Gilmar arquiva inquérito de dois deputados na “máfia da merenda”

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal arquivou inquérito contra os deputados federais Baleia Rossi e Nelson Marquezelli, de São Paulo, a pedido da PGR; ambos eram investigados na operação alba branca, desencadeada após denúncia de fraude na compra de alimentos para merenda de prefeituras e do governo do estado

Gilmar arquiva inquérito de dois deputados na “máfia da merenda”
Gilmar arquiva inquérito de dois deputados na “máfia da merenda” (Foto: Carlos Moura/STF)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do Conjur - Por ausência de provas, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal arquivou inquérito contra os deputados federais Baleia Rossi e Nelson Marquezelli, de São Paulo. Ambos eram investigados na operação alba branca, desencadeada após denúncia de fraude na compra de alimentos para merenda de prefeituras e do governo do estado.

Na decisão, o ministro acatou pedido da Procuradoria-Geral da República, que já havia destacado que os envolvidos no caso negaram participação dos parlamentares. "O próprio MP afirmou que a participação dos deputados foi negada pelos demais envolvidos no esquema. Há falta de materialidade e, por isso, pode-se arquivar", decidiu o ministro.

Comandada pelo Ministério Público e pela Polícia Civil de São Paulo, a operação que investigava a chamada "Máfia das Merendas" foi deflagrada em 19 de janeiro de 2016. Os deputados Baleia Rossi e Nelson Marquezelli foram apontados como supostos recebedores de propina.

Trancamento

Em junho deste ano, por 3 votos a 1, a 2ª Turma do STF concedeu Habeas Corpus ao deputado estadual de São Paulo Fernando Capez (PSDB) e determinou o trancamento de ação penal em que o parlamentar é investigado por suposta participação na chamada "máfia da merenda". Ele respondia, no Tribunal de Justiça de São Paulo, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Na ocasião, o relator da ação, ministro Gilmar Mendes aceitou os argumentos da defesa e contestou os do Ministério Público. Segundo ele, houve flagrante ausência de lastro probatório para oferecimento da denúncia.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247