Gilmar: fontes de Lula são "gângsters" e "bandidos"

Para o ministro do STF, ex-presidente é "central de divulgação" de intrigas sobre sua ida a Berlim, em 2009, quando se encontrou com o senador Demóstenes; Gilmar Mendes apresentou documentos de gastos da viagem; e bateu duro sobre origem das informações de Lula; nível baixou!

Gilmar: fontes de Lula são "gângsters" e "bandidos"
Gilmar: fontes de Lula são "gângsters" e "bandidos" (Foto: Edição/ 247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Imediatamente após abrir uma crise institucional, ao atribuir, pelas páginas da revista Veja, ao ex-presidente Lula a realização de uma pressão direta para o adiamento do julgamento do caso do Mensalão, o ministro Gilmar Mendes, do STF, radicalizou ainda mais. Em entrevista, ele classificou Lula como uma “central de divulgação” de notícias contra ele e, como que para mostrar sua disposição para a briga, taxou as fontes de informação do ex-presidente como “gangsters” e “bandidos”. Sem dúvida, o nível baixou!

Abaixo, notícia da Agência Brasil sobre mais uma polêmica entrevista do ministro Gilmar Mendes, concedida nesta terça-feira 29:

Agência Brasil – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes apresentou hoje (29) documentos da viagem que fez à Alemanha, em abril do ano passado. Mendes mostrou os documentos a jornalistas antes de ir à sessão de julgamento da Segunda Turma do STF. Os papéis apresentados pelo ministro mostram que ele esteve na Europa entre 12 e 25 de abril, para participar de um evento acadêmico na Universidade de Granada. A passagem de ida, de Guarulhos (SP) a Granada (Espanha), com conexão em Madri, e a passagem de volta, trecho Berlim–Frankfurt (Alemanha)–Guarulhos (SP)–Brasília, foram pagas pelo STF e custaram R$ 16,1 mil.

Os documentos também mostram que a viagem de volta ao Brasil começou em Berlim por conveniência do próprio ministro e que as diárias de 17 a 25 de abril não foram pagas pelo tribunal. "Vocês sabem que desde 1989 eu frequento a Alemanha todo o tempo, tenho uma filha que mora lá, dou aula lá. Vão ver as passagens tiradas pelo STF", justificou Mendes.

Mesmo garantindo que não pegou carona com o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO), Mendes disse que não veria problemas em fazê-lo. Ele lembrou que foi duas vezes a Goiânia a convite do senador, uma com o ex-ministro do Supremo Nelson Jobim e o atual ministro Antonio Dias Toffoli, e outra com Toffoli e a ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Fatima Andrighi. "Agora, por que esse tipo de notícia? Se eu tivesse pegado o avião, se ele [Demóstenes] tivesse me oferecido? Eu tinha algum envolvimento com o eventual malfeito dele?"

O ministro atribuiu ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a responsabilidade pela divulgação de informações sobre a viagem à Europa que, segundo ele, nada tem de ilegal. Segundo Mendes, Lula recebeu essas informações de "gângsters" e "bandidos" interessados em plantar notícias falsas.

Perguntado por jornalistas se Lula seria a fonte dessas notícias, Mendes respondeu:. "As notícias que me chegaram são que sim, que ele era a central de divulgação disso, o próprio presidente". E completou: "Colegas de vocês [jornalistas] que me disseram isso".

Mendes disse que as informações falsas de que teria relações com Demóstenes e com o empresário goiano Carlinhos Cachoeira são uma tentativa de desmoralizar o Supremo, que está prestes a iniciar o julgamento do mensalão. "O objetivo era melar o julgamento do mensalão, dizer que o Judiciário está envolvido em uma rede de corrupção. Tentaram fazer isso com o [procurador-geral da República, Roberto] Gurgel e estão fazendo isso agora".


O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247