Globo grava documentário sobre filarmônicas em Alagoas

A primeira capital de Alagoas, cidade onde nasceu o primeiro presidente da República, e que leva o seu nome, Marechal Deodoro, na grande Maceió, está sendo palco do documentário "Faz Sol Lá Sim", produzido pelo poeta e jornalista da Globo News, Claufe Rodrigues; o filme não trata sobre os antigos casarios, tampouco sobre o seu filho ilustre, mas sim da tradicional história das filarmônicas; A bela e histórica Marechal Deodoro é considerada a cidade com a maior quantidade de filarmônicas do país

A primeira capital de Alagoas, cidade onde nasceu o primeiro presidente da República, e que leva o seu nome, Marechal Deodoro, na grande Maceió, está sendo palco do documentário "Faz Sol Lá Sim", produzido pelo poeta e jornalista da Globo News, Claufe Rodrigues; o filme não trata sobre os antigos casarios, tampouco sobre o seu filho ilustre, mas sim da tradicional história das filarmônicas; A bela e histórica Marechal Deodoro é considerada a cidade com a maior quantidade de filarmônicas do país
A primeira capital de Alagoas, cidade onde nasceu o primeiro presidente da República, e que leva o seu nome, Marechal Deodoro, na grande Maceió, está sendo palco do documentário "Faz Sol Lá Sim", produzido pelo poeta e jornalista da Globo News, Claufe Rodrigues; o filme não trata sobre os antigos casarios, tampouco sobre o seu filho ilustre, mas sim da tradicional história das filarmônicas; A bela e histórica Marechal Deodoro é considerada a cidade com a maior quantidade de filarmônicas do país (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas 247 - A tradicional história das filarmônicas da cidade de Marechal Deodoro vai ganhar visibilidade e representatividade nacionalmente. É que as orquestras da cidade estão sendo protagonistas do documentário "Faz Sol Lá Sim", produzido pelo poeta e jornalista da Globo News Claufe Rodrigues. A equipe da emissora  já está na antiga capital da província alagoana para a preparação das gravações da primeira etapa do projeto. 

Inspirado em uma visita realizada ao município há cerca de três anos, durante participação na Festa Literária da cidade - a Flimar -, foi a particularidade do toque musical agregada ao enredo cultural das filarmônicas que chamou a atenção do jornalista. A singular diversidade dos grupos, que totalizam cinco associações, caracteriza Marechal Deodoro como a cidade com maior quantidade de filarmônicas do país.

"De imediato já fiquei encantado com que vi e ouvi. Eram cerca de 30 músicos tocando um som contagiante na filarmônica. Eu precisava contar esta história. Neste período, a Globo News estava fazendo parcerias com a produtora Rio Filmes e então vi a oportunidade ideal para produzir o documentário. As pessoas tinham que conhecer mais sobre essa representação cultural tão única", conta o jornalista.

Conhecido em todo o país pelo seu trabalho junto à literatura, foi justamente o escritor Jorge de Lima que trouxe o autor do documentário ao estado de Alagoas. As poesias que retratavam tão sutilmente a história do Estado e do seu povo ocuparam um lugar cativo também nas produções de Claufe Rodrigues, como lembra o próprio jornalista e poeta.

"Acabamos fazendo o caminho inverso. Enquanto que Jorge de Lima saiu de sua terra Alagoas para ganhar o Rio de Janeiro, eu acabei me apaixonando pelo Estado através do seu olhar. Ele me apresentou a poesia mais alta e o lugar que tem propriedades tão distintas entre todas as regiões do Nordeste. Este é o momento de levar um pouco da cultura dessa cidade para todo o Brasil", ressalta Rodrigues.

Com gazetaweb.com e Agência Alagoas 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247