‘Governo Temer quer queimar o filme das estatais’

Deputada Margarida Salomão (PT-MG) criticou o governo Michel Temer, que pretende privatizar a Eletrobras; "Cartilha básica dos privatistas: sucatear e 'queimar o filme' de estatais para justificar sua entrega ao mercado e à lógica do lucro. Atual gestão da Eletrobras pagou quase R$ 2 milhões para que falassem mal da própria empresa"

Deputada Margarida Salomão (PT-MG) criticou o governo Michel Temer, que pretende privatizar a Eletrobras; "Cartilha básica dos privatistas: sucatear e 'queimar o filme' de estatais para justificar sua entrega ao mercado e à lógica do lucro. Atual gestão da Eletrobras pagou quase R$ 2 milhões para que falassem mal da própria empresa"
Deputada Margarida Salomão (PT-MG) criticou o governo Michel Temer, que pretende privatizar a Eletrobras; "Cartilha básica dos privatistas: sucatear e 'queimar o filme' de estatais para justificar sua entrega ao mercado e à lógica do lucro. Atual gestão da Eletrobras pagou quase R$ 2 milhões para que falassem mal da própria empresa" (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - A deputada federal Margarida Salomão (PT-MG) criticou o governo Michel Temer, rejeitado pela quase totalidade dos brasileiros e que pretende privatizar a Eletrobras.

"Cartilha básica dos privatistas: sucatear e 'queimar o filme' de estatais para justificar sua entrega ao mercado e à lógica do lucro. Atual gestão da Eletrobras pagou quase R$ 2 milhões para que falassem mal da própria empresa", escreveu a parlamentar no Twitter.

De acordo com a parlamentar, o "interesse público passa longe dessa gestão golpista da Eletrobras... Visando privatização, presidente da Eletrobras tenta subir próprio salário para R$ 77 mil". "Especialistas denunciam: privatização da Eletrobras é um crime contra o povo brasileiro", continuou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247