Grande vitória, diz Marco Maia sobre posição da ONU acerca de Lula

O deputado federal Marco Maia (PT-RS) comemorou a decisão da Organização das Nações Unidas (ONU), que se pronunciou oficialmente pedindo que os direitos políticos do ex-presidente Lula sejam respeitados; "GRANDE VITORIA! O Comitê de Direitos Humanos da ONU decidiu que Lula tem o direito de concorrer nas eleições de 2018"

Grande vitória, diz Marco Maia sobre posição da ONU acerca de Lula
Grande vitória, diz Marco Maia sobre posição da ONU acerca de Lula (Foto: Esq.: Renato Araújo - Câmara / Dir.; Stuckert)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio Grande do Sul 247 - O deputado federal Marco Maia (PT-RS) comemorou a decisão da Organização das Nações Unidas (ONU), que se pronunciou oficialmente pedindo que os direitos políticos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sejam respeitados.

"GRANDE VITORIA! O Comitê de Direitos Humanos da ONU decidiu que Lula tem o direito de concorrer nas eleições de 2018", escreveu o parlamentar no Twitter.

Em nota, a ONU disse reconhecer a violação aos diretos humanos de Lula e que ele está na iminência de sofrer "danos irreparáveis".

A defesa de Lila afirmou que, diante dessa nova decisão, nenhum órgão do Estado Brasileiro poderá apresentar qualquer obstáculo para que o ex-Presidente Lula possa concorrer nas eleições presidenciais de 2018 até a existência de decisão transitada em julgado em um processo justo, assim como será necessário franquear a ele acesso irrestrito à imprensa e aos membros de sua coligação política durante a campanha.

Confira mais aqui as posições da ONU e a defesa do ex-presidente

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247