Guardas municipais são treinados para usar arma de baixa letalidade

A Guarda Municipal de Salvador está treinando 300 agentes para usar pistolas de eletrochoque do tipo Spark - de fabricação nacional e semelhante ao tradicional Taser; o equipamento, segundo a prefeitura, auxiliará os guardas que já usam Taser na proteção do patrimônio público e na segurança do cidadão; "O equipamento tem o poder de imobilizar totalmente o infrator, sem que esta ação possa levá-lo à morte", explica o gerente de Desenvolvimento da Guarda Municipal de Salvador, Carlos Damasceno

A Guarda Municipal de Salvador está treinando 300 agentes para usar pistolas de eletrochoque do tipo Spark - de fabricação nacional e semelhante ao tradicional Taser; o equipamento, segundo a prefeitura, auxiliará os guardas que já usam Taser na proteção do patrimônio público e na segurança do cidadão; "O equipamento tem o poder de imobilizar totalmente o infrator, sem que esta ação possa levá-lo à morte", explica o gerente de Desenvolvimento da Guarda Municipal de Salvador, Carlos Damasceno
A Guarda Municipal de Salvador está treinando 300 agentes para usar pistolas de eletrochoque do tipo Spark - de fabricação nacional e semelhante ao tradicional Taser; o equipamento, segundo a prefeitura, auxiliará os guardas que já usam Taser na proteção do patrimônio público e na segurança do cidadão; "O equipamento tem o poder de imobilizar totalmente o infrator, sem que esta ação possa levá-lo à morte", explica o gerente de Desenvolvimento da Guarda Municipal de Salvador, Carlos Damasceno (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247 - A Guarda Municipal de Salvador está treinando 300 agentes para usar pistolas de eletrochoque do tipo Spark - de fabricação nacional e semelhante ao tradicional Taser. O equipamento, segundo a prefeitura, auxiliará os guardas que já usam Taser na proteção do patrimônio público e na segurança do cidadão. 

"Inicialmente, tratamos de habilitar os operadores que já utilizavam esse tipo de pistola de condutividade elétrica. Mas a ideia é qualificar todo o grupamento no uso desse equipamento. Trata-se de uma arma de baixo potencial ofensivo, ideal para grandes cidades por ter baixos índices de letalidade. O princípio maior do manuseio desta arma é garantir a segurança da população, dos bens públicos e, principalmente, auxiliar na autodefesa do agente público. O equipamento tem o poder de imobilizar totalmente o infrator, sem que esta ação possa levá-lo à morte", diz o gerente de Desenvolvimento da Guarda Municipal de Salvador, Carlos Damasceno.

Aspectos legais

A agente Liliane Souza, que atua no apoio de grupamentos em toda a cidade, conta algumas das informações disponibilizadas aos alunos no curso.

"Aqui aprendemos que a utilização dessa arma é necessária durante a atividade de proteger o patrimônio. Aliado a isso, nos ensinam aspectos legais do emprego deste equipamento, bem como o manuseio, posição de tiro, controle e manipulação das peças. Também nos é lembrado com frequência a necessidade de não incorrer em determinados erros como a prática de tortura e o abuso de poder. Dessa forma poderemos desempenhar melhor nossa função, traz um grande benefício para nossa atividade e parta a própria sociedade".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email