Guimarães: adiar reunião 'fere o acordo político'

Um “conluio pela mudança das regras do jogo”, declarou o líder do Governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), sobre o adiamento da reunião para eleger os integrantes da comissão que analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma, que deveria acontecer nesta segunda (7), mas foi remarcada para amanhã (8). "Isso fere o acordo político", acrescentou

Um “conluio pela mudança das regras do jogo”, declarou o líder do Governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), sobre o adiamento da reunião para eleger os integrantes da comissão que analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma, que deveria acontecer nesta segunda (7), mas foi remarcada para amanhã (8). "Isso fere o acordo político", acrescentou
Um “conluio pela mudança das regras do jogo”, declarou o líder do Governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), sobre o adiamento da reunião para eleger os integrantes da comissão que analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma, que deveria acontecer nesta segunda (7), mas foi remarcada para amanhã (8). "Isso fere o acordo político", acrescentou (Foto: Rodrigo Rocha)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ceará247 - A reunião da Câmara marcada para a noite de hoje (7), para eleger os integrantes da comissão que analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), foi adiada para esta terça-feira (8). O líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), classificou de "conluio pela mudança das regras do jogo" a decisão de adiar as nomeações e a permissão para que haja chapa alternativa, anunciada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

"Tínhamos um acordo. Hoje seria a reunião de instalação da comissão. Acordamos isso entre líderes e trabalhamos no fim de semana as negociações para indicação. Hoje anuncia que passou para amanhã. Isso fere o acordo político", afirmou.

O colegiado será composto por 65 integrantes titulares e igual número de suplentes indicados pelos partidos de acordo com o tamanho das bancadas. Caberá à comissão proferir parecer pela continuidade ou não do processo, que será votado em plenário.

(Com informações do G1)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247