Haddad critica ‘hipocrisia’ da mídia na cobertura sobre moradores de rua

Em nota divulgada nesta sexta-feira 17, o prefeito de São Paulo critica "a grande imprensa", que segundo ele, foi "tomada por uma inédita preocupação com higienismo e moradores em situação de rua", mas que até então havia sido contra programas da Prefeitura como o "De Braços Abertos (DBA)", contra o crack; "Hoje, a imprensa me acusa de querer isentar a Prefeitura de responsabilidade pelos óbitos da última frente fria. Não é verdade", rebate; Fernando Haddad afirmou ainda que não foi encontrada "nenhuma correlação" entra a ação da GCM - que retirou colchão e outros pertences dessas pessoas - e os óbitos

Em nota divulgada nesta sexta-feira 17, o prefeito de São Paulo critica "a grande imprensa", que segundo ele, foi "tomada por uma inédita preocupação com higienismo e moradores em situação de rua", mas que até então havia sido contra programas da Prefeitura como o "De Braços Abertos (DBA)", contra o crack; "Hoje, a imprensa me acusa de querer isentar a Prefeitura de responsabilidade pelos óbitos da última frente fria. Não é verdade", rebate; Fernando Haddad afirmou ainda que não foi encontrada "nenhuma correlação" entra a ação da GCM - que retirou colchão e outros pertences dessas pessoas - e os óbitos
Em nota divulgada nesta sexta-feira 17, o prefeito de São Paulo critica "a grande imprensa", que segundo ele, foi "tomada por uma inédita preocupação com higienismo e moradores em situação de rua", mas que até então havia sido contra programas da Prefeitura como o "De Braços Abertos (DBA)", contra o crack; "Hoje, a imprensa me acusa de querer isentar a Prefeitura de responsabilidade pelos óbitos da última frente fria. Não é verdade", rebate; Fernando Haddad afirmou ainda que não foi encontrada "nenhuma correlação" entra a ação da GCM - que retirou colchão e outros pertences dessas pessoas - e os óbitos (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Depois de uma coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), voltou a abordar a situação dos moradores de rua em uma nota nesta sexta. Apenas na capital paulista, cinco pessoas morreram nas ruas devido ao frio. A Guarda Civil Metropolitana (GCM) foi acusada de retirar colchões e pertences pessoais de quem dormia em praças e outros locais públicos. O motivo, conforme disse o prefeito, era evitar uma "refavelização" desses lugares.

No texto, Haddad primeiramente critica "a grande imprensa", que segundo ele, foi "tomada por uma inédita preocupação com higienismo e moradores em situação de rua", mas que até então havia sido contra programas da Prefeitura como o "De Braços Abertos (DBA)", contra o crack. "Hoje, a imprensa me acusa de querer isentar a Prefeitura de responsabilidade pelos óbitos da última frente fria. Não é verdade", rebate. Fernando Hadddad afirmou ainda que não foi encontrada "nenhuma correlação entra a ação da Guarda e os óbitos".

Leia a íntegra:

MENTIRA E HIPOCRISIA

A grande imprensa foi tomada por uma inédita preocupação com higienismo e moradores em situação de rua. Tanto melhor. Trata-se de população extremamente vulnerável. Há entre eles pessoas de todo tipo: trabalhadores desempregados, usuários e dependentes de drogas, egressos do sistema prisional e pessoas com enfermidades.

Quando criamos o Programa "De Braços Abertos (DBA)", os dois principais jornais da cidade adotaram posição editorial contrária ao programa.

Ele visa, como se sabe, diversificar o atendimento da assistência para atrair o morador em situação de rua dependente de crack para os serviços oferecidos pela prefeitura. No momento em que o programa recebe reconhecimento internacional é o jornal O Globo que dá a notícia.

Hoje, a imprensa me acusa de querer isentar a Prefeitura de responsabilidade pelos óbitos da última frente fria.

Não é verdade.

A GCM foi acusada de provocá-las mediante a retirada ilegal de cobertores. Durante toda semana, investigamos estes óbitos, procurando cruzar duas informações: a causa da morte e a rotina da Guarda. Não encontramos nenhuma correlação entra a ação da Guarda e os óbitos.

Se entendêssemos que o frio não mata jamais teríamos aberto 1,5 mil vagas provisórias durante o inverno, além das 2 mil permanentes, criadas desde 2013, um aumento de 25%.

Serviços inéditos foram criados para além do DBA: para LGBTs (Transcidadania), para imigrantes, para famílias (Família em Foco), etc. Nenhuma cobertura da imprensa.

O que se ouve nas redes são referências ao bolsa-crack e bolsa-traveco, expressões, estas sim, de desrespeito à população vulnerável.

Continuaremos a diversificar o atendimento da assistência, em combinação com saúde, segurança urbana, educação e trabalho, para proteger essa população, na melhor tradição de respeito aos direitos humanos.

Quem romantiza a permanência na rua em situação de risco extremo não somos nós. Não sejamos hipócritas.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247