"Haddad precisa importar um baiano?"

Quem questiona é o jornalista Gilberto Dimenstein, em sua coluna na Folha desta segunda sobre a escolha do ex-ministro baiano Juca Ferreira para comandar a Secretaria da Cultura do prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad, do PT; Dimenstein pergunta se não há ninguém com "competência" suficiente para o cargo na capital paulista

www.brasil247.com - "Haddad precisa importar um baiano?"
"Haddad precisa importar um baiano?"


Bahia 247

Em sua coluna na edição desta segunda-feira (10) na Folha de São Paulo, o jornalista Gilberto Dimenstein questiona a escolha do ex-ministro baiano Juca Ferreira para assumir a secretaria da cultura de São Paulo na gestão do prefeito eleito Fernando Haddad (PT), a partir de 1º de janeiro.

Dimenstein questiona se não há ninguém com "competência" suficiente para o cargo na capital paulista, alguém que, segundo ele, conhecesse mais a cidade e suas particularidades do que o ex-ministro baiano. "O fato de ter sido ministro da Cultura não significa um passaporte", afirma o colunista da Folha.

Abaixo a íntegra da coluna de Gilberto Dimenstein.

Está causando estranheza entre figuras da chamada inteligência paulistana. Fernando Haddad precisava importar um baiano --Juca Ferreira-- para secretário da cultura? Não tinha ninguém aqui da cidade habilitado ao cargo, capaz de conhecer melhor os detalhes da cidade? O fato de ele ter sido ministro torna-o naturalmente competente para um cargo que, a rigor, tem um orçamento bem menor e, teoricamente, mais simples? É mesmo mais simples? Juca vai aprender rapidamente os códigos locais?

Lembremos que, neste ano, São Paulo foi considerada uma das principais capitais culturais do mundo, segundo avaliações internacionais. E é um dos motores da vocação paulistana --e, mais do que isso, compõem a indústria da economia criativa. Ou seja, é um cargo estratégico --ainda mais porque, na visão do futuro prefeito, o uso de espaços culturais devem ser integrados às escolas, formando uma malha educativa.

Se ele vai ser bom secretário, vamos observar. O fato de ter sido ministro da Cultura não significa um passaporte. É uma incógnita. Haddad resolveu apostar --e o risco é alto. É alguém que já vem com desvantagens.

Mas ser de fora, nesse caso, tem algumas vantagens. Primeiro, ele não é vinculado a nenhuma das panelinhas culturais locais. Segundo, Juca vem de uma cidade em que a cultura está nas ruas --e uma das coisas que mais precisamos nesta cidade é abrir mais e mais espaços na rua para as manifestações artísticas.

A São Paulo que se projeta como uma das capitais culturais do mundo deve ser cosmopolita, aberta, marcada pela diversidade. Não importa de onde o secretário venha. Importa se ele vai fazer uma boa gestão.

Quanto mais talentos atrairmos, melhor.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email