Imbassahy vê "gestão temerária" na Petrobras

Líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy, considera "grande vitória" instauração de inquérito na Polícia Federal para investigar possível superfaturamento na compra da refina de Pasadena, nos EUA, pela Petrobras; "Há grande probabilidade de que a compra de Pasadena tenha sido prejudicial à companhia, com possíveis prejuízos da ordem de US$ 1 bilhão. São fortes os indícios de gestão temerária, desvios de recursos públicos e lavagem de dinheiro"

Líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy, considera "grande vitória" instauração de inquérito na Polícia Federal para investigar possível superfaturamento na compra da refina de Pasadena, nos EUA, pela Petrobras; "Há grande probabilidade de que a compra de Pasadena tenha sido prejudicial à companhia, com possíveis prejuízos da ordem de US$ 1 bilhão. São fortes os indícios de gestão temerária, desvios de recursos públicos e lavagem de dinheiro"
Líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy, considera "grande vitória" instauração de inquérito na Polícia Federal para investigar possível superfaturamento na compra da refina de Pasadena, nos EUA, pela Petrobras; "Há grande probabilidade de que a compra de Pasadena tenha sido prejudicial à companhia, com possíveis prejuízos da ordem de US$ 1 bilhão. São fortes os indícios de gestão temerária, desvios de recursos públicos e lavagem de dinheiro" (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247 - O líder do PSDB na Câmara, deputado Antônio Imbassahy, considera "grande vitória" a instauração de inquérito na Polícia Federal (PF) para investigar denúncias de superfaturamento na compra da refina de Pasadena, no Texas (EUA), pela Petrobras.

Pedido de apuração foi feito por Imbassahy, em maio de 2013, quando chegaram ao seu conhecimento informações sobre o negócio, que pode ter provocado prejuízo bilionário à estatal.

Para chegar à PF, porém, "o documento trilhou um longo caminho por gabinetes ministeriais até ser enviado à PF, conforme noticiado por jornais de circulação nacional. Somente, agora, nove meses depois, a investigação foi instaurada, na última terça-feira, 11", lamenta o tucano em nota.

Ele lembra que convidou a presidente da estatal, Graça Foster, para prestar esclarecimentos na Câmara, sobre o acordo, mas, segundo ele, as declarações de Foster não convenceram.

"Apesar da morosidade", o líder do PSDB diz que a medida ocorre em boa hora. Coincidiu com a aprovação, pela Câmara, de outra iniciativa sua, a criação de uma comissão externa para investigar novas denúncias, dessa vez, de suborno em contratos firmados com a Petrobrs.

Ambas as investigações serão realizadas pela PF em Brasília, em parceira com o Ministério Público Federal do Rio de Janeiro, tendo em vista que a sede da empresa fica no Rio. Denúncias já vinham sendo acompanhadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e pela Controladoria Geral da União (CGU).

A Petrobras pagou, em 2006, US$ 360 milhões por 50% da refinaria no Texas. Um ano antes, a trading belga Astra/Transcor havia comprado a mesma planta de refino por US$ 42,5 milhões. Após briga judicial com a trading, a estatal pagou mais US$ 820 milhões para encerrar o litígio, tornando-se dona da refinaria, por um investimento total de US$1, 18 bi.

"Há grande probabilidade de que a compra de Pasadena tenha sido prejudicial à companhia brasileira, com possíveis prejuízos da ordem de US$ 1 bilhão. São fortes os indícios de gestão temerária, desvios de recursos públicos e lavagem de dinheiro. Isso tudo precisa ser tornado claro para a população. É o que esperamos dessa investigação", diz Imbassahy.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email