Ímprobo e incompetente, Luciano resiste na Comurg

Condenado pela Justiça por fraudes na companhia de coleta de lixo, presidente permanece no cargo; Paço Municipal se cala sobre a situação do auxiliar; não bastasse a sentença judicial que determina seu afastamento, Goiânia volta a ter problemas com a coleta de lixo, que se acumula pela cidade; denúncia do Ministério Público, acatada pelo juiz Fabiano Aragão, diz que, entre outros atos ilegais, as ações de Luciano de Castro entre 2009 e 2011 foram determinantes para o sucateamento da frota de caminhões da Comurg; atualmente, o pouco do serviço prestado é feito com suporte de veículos improvisados e inadequados

Condenado pela Justiça por fraudes na companhia de coleta de lixo, presidente permanece no cargo; Paço Municipal se cala sobre a situação do auxiliar; não bastasse a sentença judicial que determina seu afastamento, Goiânia volta a ter problemas com a coleta de lixo, que se acumula pela cidade; denúncia do Ministério Público, acatada pelo juiz Fabiano Aragão, diz que, entre outros atos ilegais, as ações de Luciano de Castro entre 2009 e 2011 foram determinantes para o sucateamento da frota de caminhões da Comurg; atualmente, o pouco do serviço prestado é feito com suporte de veículos improvisados e inadequados
Condenado pela Justiça por fraudes na companhia de coleta de lixo, presidente permanece no cargo; Paço Municipal se cala sobre a situação do auxiliar; não bastasse a sentença judicial que determina seu afastamento, Goiânia volta a ter problemas com a coleta de lixo, que se acumula pela cidade; denúncia do Ministério Público, acatada pelo juiz Fabiano Aragão, diz que, entre outros atos ilegais, as ações de Luciano de Castro entre 2009 e 2011 foram determinantes para o sucateamento da frota de caminhões da Comurg; atualmente, o pouco do serviço prestado é feito com suporte de veículos improvisados e inadequados (Foto: José Barbacena)

247 - Nada é mais desorganizado na prefeitura de Goiânia do que a Comurg. A companhia responsável pela limpeza urbana da Capital não consegue realizar seu serviço a contento e ainda tem um presidente que insiste em continuar no cargo mesmo tendo a saída determinada pela Justiça.

Telejornais e jornais impressos da Capital mostram desde ontem que a coleta de lixo em Goiânia voltou a apresentar problemas graves. Em bairros como a Vila Redenção, os moradores sofrem com o lixo exposto nas portas das casas e os caminhões da Comurg ficam até três dias sem fazer a coleta.

Luciano de Castro ainda não deixou a presidência do órgão. Ele foi notificado da decisão judicial na quarta-feira (9), porém insiste em permanecer no cargo - com a conivência do prefeito Paulo Garcia (PT). O juiz Fabiano Aragão acatou a ação civil pública do Ministério Público que aponta Luciano como integrante de um esquema fraudava licitações na Comurg.

A denúncia também diz que as ações de Luciano entre 2009 e 2011 foram determinantes para o sucateamento da frota de caminhões da Comurg. Hoje, a companhia sofre. Coloca na rua veículos inapropriados para a coleta de lixo e utiliza até caminhão de caçamba para recolher os sacos de lixo.

Para piorar, os 40 caminhões que a Comurg comprou recentemente foram entregues mal adaptados para o serviço e estão passando por reparos para só então irem às ruas. É incompetência de sobra.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247