Indignação, gratidão e disposição para luta no Acampamento pela Democracia

Em Porto Alegre, manifestantes mobilizados em defesa de Lula reforçam críticas ao processo repleto de convicções, mas sem prova que envolva o ex-presidente, e afirmam que suas vidas pioraram desde o golpe de 2016

Indignação, gratidão e disposição para luta no Acampamento pela Democracia
Indignação, gratidão e disposição para luta no Acampamento pela Democracia (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Rede Brasil Atual

A energia do Acampamento da Democracia, em Porto Alegre, pode ser sentida de longe. O anfiteatro Pôr do Sol, às margens do rio Guaíba, e perto do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será julgado nesta quarta-feira (24), é o palco de mobilização de milhares de trabalhadores – principalmente agricultores e sem-terra – mas também sem-teto, atingidos por barragens e integrantes de outros movimentos sociais que vieram à capital gaúcha defender o ex-presidente e cobrar respeito à democracia.

Nesta terça (23), eles se juntaram a outros milhares de manifestantes e convergiram para a Esquina Democrática, na região central de Porto Alegre, onde Lula discursou. Por onde passou, a marcha recebeu enfáticas manifestações de apoio dos cidadãos porto-alegrenses. E a indignação com o processo judicial infestado de convicções e – segundo dezenas de juristas e até mesmo um procurador federal – sem nenhuma prova, mistura-se com a disposição para luta e um sentimento de saudades dos governos anteriores.

“Eu estou aqui porque não conseguiram provar nada contra o Lula e querem prendê-lo, mas e os outros que provaram um monte de coisa? Provaram mala de dinheiro, gravação, e não acontece nada. Por que só contra o Lula? Essa é a minha indignação”, afirma Joana Sebben, pequena agricultora de São Miguel do Oeste, em Santa Catarina. “Ele fez muito para o povo brasileiro, minhas filhas entraram na universidade pública federal, uma já se formou em agronomia e a outra está se formando em pedagogia. Eu tive muitas conquistas nos períodos Lula e Dilma e agora estou perdendo tudo de novo.”

Ela lembra que os governos anteriores deram incentivo à produção orgânica, diferentemente da administração atual. “Eu produzo batata doce orgânica sem veneno, moranguinho, arroz, feijão e vendo direto ao consumidor, mas agora dificultou muito. Tem menos crédito para o agricultor familiar, e também o preço dos produtos caiu, enquanto a gasolina subiu, o preço da energia praticamente duplicou, o gás subiu muito. O preço do milho estava R$ 37 a saca. Agora está R$ 24. O preço do litro do leite estava R$ 1,40 e agora está R$ 0,80", relata.

A agricultura familiar produz 70% dos alimentos consumidos pelos brasileiros. " O que está mantendo a inflação baixa é a produção do agricultor, enquanto que o custo de produção subiu depois desse governo golpista. Eles têm que tirar o lucro de alguma coisa e o camponês está apagando o pato desta vez”, protesta Joana.

O mesmo sentimento de indignação, saudosismo e críticas ao governo atual tomam conta do pequeno agricultor da catarinense Chapecó Álvaro Santin. “Estou aqui em defesa da democracia, porque estão fazendo um julgamento e uma condenação injusta onde não se comprova nenhum crime do presidente Lula. Nós, como cidadãos, como brasileiros, e como trabalhadores, temos a obrigação de defender nosso país e a justiça, com distribuição de renda e de riqueza”.

Para Álvaro, querem inviabilizar a candidatura de Lula porque durante seu governo houve maior distribuição de renda entre os brasileiros. “O Brasil é um dos países que mais concentram terra e riqueza no mundo. Desde que a Dilma saiu do governo, uma série de políticas públicas foram aniquiladas e nós, agricultores, fomos muito prejudicados. O agronegócio cresce, mas concentra renda e riqueza nas mãos de poucos. Antes havia programas que favoreciam a agricultura familiar, havia um ministério que tratava de políticas agrárias, havia crédito diferenciado para o setor agrícola, e que agora está nas mãos do agronegócio”, afirma.

“A gente tem que lutar para tirar esse corrupto que está no poder e trabalhar para colocar um governo que olhe para o povo que produz”, reforça o agricultor Edílio José Moro, de Coronel Freitas, também em Santa Catarina. Desde que ele [Michel temer] chegou [ao poder], a situação piorou muito para quem é agricultor. Está muito difícil conseguir crédito para o plantio", lamenta o camponês.

“O brasileiro só consegue alguma coisa com luta, e sem dúvida defender o Lula significa a possibilidade da redistribuição mais justa da renda na mão do pequeno agricultor e do pequeno comerciante", afirmou um agricultor do município gaúcho de Sananduva, que não quis se identificar.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247