Inflação aumenta em sete capitais, diz FGV

O maior aumento da inflação foi registrado em Brasília: a taxa saiu de 0,26% para 0,53%, com avanço de 0,27 ponto percentual. As principais pressões acima da variação média foram em alimentação, habitação e despesas diversas

Tomate no comper.
Foto-Valdenir Rezende
12-09-2012
Tomate no comper. Foto-Valdenir Rezende 12-09-2012 (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil 

 

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) avançou nas sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas, que divulgou hoje (18) os números por meio do Instituto Brasileiro de Economia. O índice é composto por preços pesquisados na semana encerrada em 15 de março.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) mede a variação de preços de um conjunto fixo de bens e serviços componentes de despesas habituais de famílias com nível de renda situado entre 1 e 33 salários mínimos mensais. Sua pesquisa de preços se desenvolve diariamente, cobrindo as seguintes capitais do país: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Porto Alegre e Brasília. A versão IPC-S baseia-se em um sistema de coleta quadrissemanal, com encerramento em quatro datas pré-estabelecidas (07, 15, 22 e 31).

O Rio de Janeiro continua sendo a capital com a maior taxa de inflação (1,29%), mas foi uma das que teve o menor aumento, de apenas 0,05 ponto percentual. Alimentação e cuidados pessoais estão entre os principais aumentos na capital fluminense, e transportes foi outra classe de despesa que pressionou a taxa para cima.

O maior aumento da inflação foi registrado em Brasília: a taxa saiu de 0,26% para 0,53%, com avanço de 0,27 ponto percentual. As principais pressões acima da variação média foram em alimentação, habitação e despesas diversas. A classe educação, leitura e recreação, de variação negativa, subiu de -2,05% para -1,35%.

O menor avanço do IPC-S foi em Recife: a taxa subiu 0,04 ponto percentual e chegou a 0,16%. No caso da cidade pernambucana, as taxas de vestuário e alimentação puxaram a inflação para patamar inferior e assim seguraram o avanço do custo de vida. Em sentido oposto, saúde e cuidados pessoais, despesas diversas, transporte e habitação pressionaram o índice. 

Entre as outras capitais, São Paulo teve o maior aumento (0,16 ponto percentual), que passou de 0,69% para 0,85%. Salvador e Porto Alegre empataram, com 0,14 ponto percentual cada, e, em Belo Horizonte, a taxa avançou 0,05 ponto percentual. As três capitais apresentaram IPC-S de 0,55%, 0,80% e 0,73%.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email