Inglaterra recebe provas da corrupção na Fifa

O Escritório de Fraudes Sérias (SFO, na sigla em inglês) informou em maio que estava examinando informações relacionadas a possíveis casos de corrupção na organização após os Estados Unidos indiciarem dirigentes da Fifa de fraude, suborno e lavagem de dinheiro

Logo da Fifa na sede da entidade, em Zurique. 03/10/2015 REUTERS/Arnd Wiegmann
Logo da Fifa na sede da entidade, em Zurique. 03/10/2015 REUTERS/Arnd Wiegmann (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

LONDRES (Reuters) - O escritório britânico de combate a fraudes recebeu novas informações sobre lavagem de dinheiro como parte da investigação sobre a Fifa, informou o chefe da agência nesta terça-feira.

O Escritório de Fraudes Sérias (SFO, na sigla em inglês) informou em maio que estava examinando informações relacionadas a possíveis casos de corrupção na organização após os Estados Unidos indiciarem dirigentes da Fifa de fraude, suborno e lavagem de dinheiro.

Em atualização da investigação britânica a um comitê de parlamentares britânicos, o diretor do SFO, David Green, disse que a agência ainda está examinando possíveis casos de lavagem de dinheiro, mas que não achava que poderia examinar a Fifa sob leis de suborno.

"Ainda estamos examinando problemas sobre possíveis lavagens de dinheiro", disse. "Ainda não posso entrar em detalhes sobre isto, mas ainda existem diversos aspectos para isto e algumas novas informações chegaram para nós recentemente".

"Minha posição seria que não podemos encostar na Fifa pelo ato de suborno, à medida que as coisas estão", disse, acrescentando que pode haver uma linha de responsabilidade contra patrocinadores caso fosse estabelecido que falharam em seguir procedimentos adequados.

Autoridades suíças também estão investigando a decisão de sediar as Copas do 2018 e 2022 na Rússia e Catar, respectivamente. Ambos países negam qualquer conduta irregular.

Entre os dirigentes indiciados pelos Estados Unidos está o ex-presidente da CBF José Maria Marin, que está preso na Suíça.

(Reportagem de Kylie MacLellan e Kate Holton)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247