Instituto Maria da Penha lança pesquisa sobre violência contra a mulher

O Instituto Maria da Penha estará apresentando, nos próximos dias 08 e 09 de dezembro, em Fortaleza, os primeiros dados da Pesquisa de Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar contra à mulher - PCSVDF Mulher. A pesquisa é realizada pelo Instituto Maria da Penha-IMP em parceria com a Universidade Federal do Ceará e o Instituto para Estudos Avançados de Toulouse, na França. Este é o maior levantamento sobre o tema, em toda a América Latina

O Instituto Maria da Penha estará apresentando, nos próximos dias 08 e 09 de dezembro, em Fortaleza, os primeiros dados da Pesquisa de Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar contra à mulher - PCSVDF Mulher. A pesquisa é realizada pelo Instituto Maria da Penha-IMP em parceria com a Universidade Federal do Ceará e o Instituto para Estudos Avançados de Toulouse, na França. Este é o maior levantamento sobre o tema, em toda a América Latina
O Instituto Maria da Penha estará apresentando, nos próximos dias 08 e 09 de dezembro, em Fortaleza, os primeiros dados da Pesquisa de Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar contra à mulher - PCSVDF Mulher. A pesquisa é realizada pelo Instituto Maria da Penha-IMP em parceria com a Universidade Federal do Ceará e o Instituto para Estudos Avançados de Toulouse, na França. Este é o maior levantamento sobre o tema, em toda a América Latina (Foto: Fatima 247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O Instituto Maria da Penha-IMP está divulgando, em um seminário marcado para os próximos dias 08 e 09 de dezembro de 2016, no Hotel Mareiro Beira Mar, em Fortaleza, os primeiros dados da Pesquisa de Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar contra à mulher - PCSVDF Mulher.

A pesquisa é realizada pelo Instituto Maria da Penha-IMP está realizando, em parceria com a Universidade Federal do Ceará-UFC e o Instituto para Estudos Avançados de Toulouse (IAST/França), sob a coordenação do Professor Doutor José Raimundo Carvalho (CAEN/UFC). Participam também da equipe de estudos especialistas de instituições como a Escola de Economia de Toulouse (TSE/França), Universidade Federal do Ceará, Universidade de Oxford (Reino Unido) e Banco Mundial (USA). Este projeto é financiado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) e tem a parceria do Banco Mundial e da Universidade de Toulouse, na França.

A pesquisa longitudinal está sendo realizada em duas etapas (2016 e 2017), nas nove capitais da região Nordeste. Este é o maior levantamento sobre esse tema, quanto à sua escala, em toda a América Latina. Serão mais de 10 mil famílias pesquisadas. Ao longo desse processo, será observado de que forma se apresentam atitudes de violência doméstica nesses grupos familiares com o intuito de entender a violência doméstica dentro de várias perspectivas, aprofundando os conhecimentos sobre o tema, auxiliando no desenvolvimento de políticas públicas que possibilitem sua diminuição no Brasil, bem como servindo de fundamento para todas as organizações que trabalham com o assunto e fonte para estudos e trabalhos acadêmicos.

 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247