"Jamais voltaremos a ter aqueles juros de 12%, 15%"

Atenta à mais importante reunião do Copom desde o início do ano, na qual diretores do Banco Central discutem se cedem ao lobby dos juros altos ou se mantêm a política de aquecimento da economia, sem mexer na Selic, presidente Dilma manda seu recado; "A (baixa) da inflação foi uma conquista desses dez anos de governo", declarou, durante cerimônia que marca a retomada de produção nacional de insulina humana, em Belo Horizonte; Dilma também criticou o "pessimismo especializado", referindo-se aos colunistas da mídia tradicional, que "nunca olha o que conquistamos, mas sempre acha que a catástrofe é maior"

"Jamais voltaremos a ter aqueles juros de 12%, 15%"
"Jamais voltaremos a ter aqueles juros de 12%, 15%" (Foto: Roberto Stuckert Filho)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 – A presidente Dilma Rousseff, mais uma vez, não se furtou a discutir a taxa de juros do Brasil. Durante cerimônia que marcou a retomada de produção nacional de insulina humana, em Belo Horizonte, Dilma manifestou sua posição no mesmo momento em que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central se reúne para dois dias de discussões em torno de um possível aumento da Selic, a taxa básica de juros.

"Nós jamais voltaremos a ter aqueles juros de 12%, 15%. A inflação foi uma conquista desses dez anos de governo", disse a presidente, no que muitos podem interpretar como pressão sobre o BC. Na verdade, porém, a presidente apenas insistiu num posicionamento que já vem assumindo desde o início de seu mandato. Para ela, manter a economia aquecida, garantindo empregos, é bem mais importante que seguir estritamente metas de inflação que, por sinal, nem mesmo estão estouradas tecnicamente.

E ela também lembrou esse fato em seu discurso: "Hoje temos uma taxa de juro real bem baixa. Em qualquer necessidade de combate à inflação, poderemos elevá-la num patamar ainda considerado baixo", disse. "Nós não negociaremos com a inflação, não teremos o menor problema em atacá-la sistematicamente. Queremos manter o nível estável, porque a inflação corrói", acrescentou a presidente, citando empresários e outros possíveis prejudicados.

Dilma criticou ainda, sem citar nomes, os analistas da grande imprensa que defendem, diariamente, a elevação da taxa Selic e o combate à inflação a todo custo, inclusive ao da redução do crescimento. "Uma parte dessa história que vocês escutam eu chamo de pessimismo especializado, pessimismo de plantão, que nunca olha o que nós conquistamos, mas sempre olha achando que a catástrofe é maior, achando que esse é um processo que tem sinalizações indevidas", afirmou.

A presidente disse estar otimista quanto ao crescimento do País em 2013. "Não há a menor hipótese de o Brasil não crescer, estou otimista. Nós plantamos muitas sementes, e aqui acabamos de plantar mais uma". Durante o evento da manhã desta terça-feira, o governo anunciou o investimento de R$ 430 milhões nos próximos cinco anos, entre recursos do Ministério da Saúde, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e financiamento do Banco Nacional do Desenvolvimento Social (BNDES). A fabricação de insulina no País ficará a cargo da empresa brasileira Biomm, que deve começar a produzir a partir de 2015.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247