João quer dobrar gastos com comunicação em 2014

Enquanto neste ano, a Secretaria Municipal da Comunicação dispôs de R$ 5,1 milhões - R$ 400 mil a mais do que no último ano do prefeito Edvaldo Nogueira -, para 2014 a previsão de gastos no orçamento da prefeitura para o setor é superior a 100%, saltando para 10,4 milhões; a vereadora Lucimara Passos (PC do B) protesta por tão volumoso reajuste e sugere que R$ 3,5 milhões sejam direcionados para outras áreas, como assistência social, manutenção de ciclovias e recuperação de ambientes degradados; "A divulgação da obra realizada pelo poder público não pode ser mais importante do que a própria obra", diz

Enquanto neste ano, a Secretaria Municipal da Comunicação dispôs de R$ 5,1 milhões - R$ 400 mil a mais do que no último ano do prefeito Edvaldo Nogueira -, para 2014 a previsão de gastos no orçamento da prefeitura para o setor é superior a 100%, saltando para 10,4 milhões; a vereadora Lucimara Passos (PC do B) protesta por tão volumoso reajuste e sugere que R$ 3,5 milhões sejam direcionados para outras áreas, como assistência social, manutenção de ciclovias e recuperação de ambientes degradados; "A divulgação da obra realizada pelo poder público não pode ser mais importante do que a própria obra", diz
Enquanto neste ano, a Secretaria Municipal da Comunicação dispôs de R$ 5,1 milhões - R$ 400 mil a mais do que no último ano do prefeito Edvaldo Nogueira -, para 2014 a previsão de gastos no orçamento da prefeitura para o setor é superior a 100%, saltando para 10,4 milhões; a vereadora Lucimara Passos (PC do B) protesta por tão volumoso reajuste e sugere que R$ 3,5 milhões sejam direcionados para outras áreas, como assistência social, manutenção de ciclovias e recuperação de ambientes degradados; "A divulgação da obra realizada pelo poder público não pode ser mais importante do que a própria obra", diz (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Valter Lima, do Sergipe 247 - O projeto que trata do orçamento da prefeitura para o próximo ano prevê um aumento de mais de 100% nos recursos que serão destinados para a Comunicação Municipal. Em 2012 (quando o prefeito ainda era Edvaldo Nogueira - PC do B), a pasta recebeu R$ 4,7 milhões. Neste ano (o primeiro da gestão de João Alves Filho - DEM), os recursos chegaram a R$ 5,1 milhões. Já para 2014, a prefeitura prevê destinação de R$ 10,4 milhões para a secretaria, comandada por Carlos Batalha.

O orçamento encontra-se na Câmara, já foi aprovado em primeira discussão e deve ter sua votação encerrada nesta quinta-feira (19). Diante do elevado reajuste na verba da Secom, a vereadora de oposição Lucimara Passos (PC do B) apresentou emendas que redirecionam R$ 3,5 milhões para outras áreas, que ela considera mais relevantes.

"Nada justifica um aumento de 100% no orçamento da comunicação em detrimento de outras importantes ações que não estão sendo realizadas ou dos serviços que estão perdendo qualidade. Entendemos que a divulgação da obra realizada pelo poder público não pode ser mais importante do que a própria obra", afirmou a parlamentar.

Neste sentido, ela propõe que R$ 2 milhões sejam transferidos para o auxílio-moradia da Secretaria Municipal da Família e da Assistência Social. "Assistimos no decorrer do ano de 2013 o drama de muitas famílias que se viram obrigadas a desocupar casas no Bairro 17 de Março, indo morar em barracos improvisados, em condições degradantes e a Prefeitura de Aracaju, sob alegação de falta de recursos, não garantiu sequer o auxílio moradia. Esses recursos podem mudar a vida de pelo menos 500 delas. São 186 famílias no Recanto dos Manguezais e 311 famílias na Ocupação Novo Amanhecer que terão uma casa e não uma lona para chamar de lar", justifica.

Lucimara sugere que outros R$ 500 mil seja redirecionados para a Superintendência de Transporte e Trânsito para ser usado na manutenção e na sinalização para integração das ciclovias. A vereadora propõe ainda que R$ 1 milhão seja colocado na Secretaria Municipal do Meio Ambiente, alocando em ações que visem a recuperação de ambientes degradados.

"A desordem no crescimento das cidades acaba provocando agressões ao meio ambiente, muitas vezes irreparáveis. O poder público deve estar atento ao significado e a importância da preservação como fator preponderante para garantia de, nada mais nada menos, do que sobrevivência das gerações futuras. Recuperar o que está degradado deve ser tratado como prioridade pela administração pública", afirma.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247