José Sarney sobre a CPI: “Vai dar m...”

Ex-presidente teria dito a frase a um experiente senador e reiterado que o papel do PMDB ser o de limpar a sujeira; CPI de Carlos Cachoeira, que comea nesta quarta-feira, pode ser a mais letal e sangrenta de todos os tempos

José Sarney sobre a CPI: “Vai dar m...”
José Sarney sobre a CPI: “Vai dar m...” (Foto: Sérgio Lima/Folhapress_Alan Marques/FolhapressSérgio Lima/Folhapress_Alan Marques/Folhapress)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Em sua coluna publicada hoje no jornal O Globo, o jornalista Ricardo Noblat revela uma conversa entre o ex-presidente José Sarney e um tarimbado senador da República. “Aqui no Senado somos os mais experientes em matéria de CPI. Essa vai dar no quê?”, perguntou o senador. “Em merda. E nos caberá limpá-la”, retrucou Sarney, que se recupera de uma angioplastia realizada no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Noblat traz ainda a declaração do senador rondoniense Valdir Raupp, que preside o PMDB: “Essa pode ser a CPI mais sangrenta da história”. Prevista para começar nesta quarta-feira, ela aguarda apenas a definição do relator, que deve ser o deputado Paulo Teixeira (PT/SP). O presidente será o senador Vital do Rego (PMDB/PB). Como atores coadjuvantes, já estão confirmados nomes de peso como os do ex-presidente Fernando Collor (PTB/AL) e dos deputados-delegados Fernando Francischini (PSDB/PR) e Protógenes Queiroz (PC do B/SP).

Noblat argumenta que, em geral, CPIs são instrumentos da minoria. E que governos, em tempos normais, fazem de tudo para impedi-las ou abafá-las. Nesta, no entanto, a presidente Dilma Rousseff teria ficado sem ação diante da pressão do ex-presidente Lula e do ex-ministro José Dirceu. Ambos teriam interesse, segundo o jornalista, em ofuscar o julgamento do mensalão, que pode ser julgado ainda no primeiro semestre. Ou, no mínimo, em provar a veracidade do bordão criado pelo humorista Chico Anísio: “Sou, mas quem não é?”. A tese é que todos os partidos se beneficiam de esquemas de financiamento ilegal de campanhas eleitorais e que, portanto, é hora de promover uma reforma política – o que não deixa de ser verdade (leia o artigo “PC, mensalão, Cachoeira...” a respeito).

Em seu artigo semanal, Noblat lembra que a primeira vítima, a Delta, de Fernando Cavendish, já caiu, mas que muitas outras poderão tombar nas próximas semanas e meses. “O que fascina numa CPI é que nem o presidente da República, por mais forte que seja, pode dormir em paz enquanto ela durar. Um boy, uma secretária ou um motorista são capazes de tirar o sono do presidente e deixar o país com a respiração suspenta”, argumenta Noblat.

Será?

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email