Judiciário sobre vínculo empregatício no trabalho em aplicativos: ‘subordinação clara’

Membros da Justiça do Trabalho discutem soluções para a insegurança jurídica no trabalho em plataformas digitais

www.brasil247.com -
(Foto: Valentyn Ogirenko/Reuters)


Rede Brasil Atual - O Ministério Público do Trabalho (MPT) entende que há relação de emprego nas plataformas digitais dos aplicativos de entrega, e essa posição foi apresentada durante audiência pública realizada ontem (5) na Câmara. Promovida por duas comissões da Casa (de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços e de Trabalho, Administração e Serviço Público), a reunião foi convocada para debater o Projeto de Lei (PL) 5.069/2019, que reconhece o vínculo empregatício.

O autor do projeto é o deputado Gervásio Maia (PSB-PB), que afirmou ter como objetivo acabar com a insegurança jurídica no assunto. Isso porque a Justiça do Trabalho já deu tanto sentenças favoráveis quanto contrárias ao vínculo empregatício entre os entregadores e as plataformas digitais.

O PL prevê direitos básicos da CLT, como férias e 13º, além da possibilidade do trabalho como microempreendedor individual. A tramitação da matéria é feita de forma conclusiva em comissões, ou seja, sem necessidade de votação em plenário. O relator é Augusto Coutinho (Republicanos-PE).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para o vice-coordenador de Combate às Fraudes nas Relações de Trabalho (Conafret) do MPT, Renan Bernardi Kalil, não se pode concordar com o argumento recorrente das plataformas, que alegam serem empresas de tecnologia. “Ninguém procura uma empresa de transporte de pessoa ou de mercadoria, buscando uma solução tecnológica. A pessoa quer ir de um ponto A para um ponto B, ou quer que um produto saia de um ponto A até um ponto B”, afirmou na audiência.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Todos estão trabalhando”

Para ele, a ausência física de alguém determinando o que o trabalhador deve fazer não impede a caracterização de subordinação. Hoje, argumentou, algumas dessas questões (valor, jornada) são feitas via algoritmos. “Me parece que olhar para o simples ponto de que o trabalhador pode escolher o seu horário de trabalho é muito pouco para dizer que não existe uma relação de emprego”, acrescentou Kalil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assim, segundo o presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Luiz Colussi, não é possível distinguir trabalhadores de plataformas dos demais. “Percebemos com clareza a presença do vínculo empregatício”, afirmou. “O trabalho em aplicativos é pessoal, seja dirigindo o carro da Uber, seja pilotando a bicicleta do Ifood. Todos estão trabalhando. O trabalho não é gratuito, é remunerado. O trabalho é permanente e é feito no intuito do empregador. E aqui temos essa nova espécie de subordinação, que é clara. Ou seja, o trabalhador está vinculado, subordinado à empresa.”

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email