Jungmann é o nome de Temer para a Defesa

Ex-ministro da Reforma Agrária e presidente do Ibama durante os governos de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), deputado pernambucano estudou e acompanhou de perto assuntos ligados à Defesa, tanto no Congresso Nacional quanto em contato direto com o ex-ministro da área nos governos Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma (PT), Nelson Jobim (PMDB), responsável por ter implementado o ministério na prática; As chances do Jungmann se consolidaram principalmente depois que o senador Cristovam Buarque (DF), também do PPS e pernambucano, descartou publicamente a ida para o Ministério da Cultura

Comiss�o d Seguran�a P�blica e Combate ao Crime Organizado Dep. Raul Jugmann fotos de Luiz Xavier 15-10-09
Comiss�o d Seguran�a P�blica e Combate ao Crime Organizado Dep. Raul Jugmann fotos de Luiz Xavier 15-10-09 (Foto: Realle Palazzo-Martini)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Ex-ministro da Reforma Agrária e presidente do Ibama durante os governos de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), deputado Raul Jungmann (PPS-PE) é nome quase certo para assumir o Ministério da Defesa em um eventual governo Michel Temer (PDMB).

As chances do Jungmann se consolidaram principalmente depois que o senador Cristovam Buarque (DF), também do PPS e pernambucano, descartou publicamente a ida para o Ministério da Cultura. Sem Buarque, Jungmann passou a ser o único nome do partido no páreo para ocupar o primeiro escalão do novo governo.

O parlamentar estudou e acompanhou de perto assuntos ligados à Defesa, tanto no Congresso Nacional quanto em contato direto com o ex-ministro da área nos governos Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma (PT), seu amigo Nelson Jobim (PMDB), responsável por ter implementado o ministério na prática.

Jobim era o preferido por Temer para voltar à pasta da Defesa, mas preferiu ficar fora do novo governo, alegando, por exemplo, que sua atuação como advogado-consultor de empreiteiras envolvidas na Operação Lava Jato poderia dar munição a adversários do vice e dele próprio.

A intenção de Temer é manter os atuais comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica. Eles têm o compromisso de não se meterem em questões políticas, nem assumir qualquer lado.

Na quinta-feira, Temer se reuniu com o senador Cristovam Buarque e com o deputado Roberto Freire (PPS-SP), presidente nacional do PPS. O senador, que foi ministro da Educação de Lula, era cotado para a pasta da Cultura. "Não farei parte do governo Temer. Se for chamado, direi não", afirmou o parlamentar à Rádio Estadão, ontem (29).

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247