Júri de acusados de matar sem terra é suspenso

O julgamento dos acusados do assassinato do sem terra, Luciano Alves, ocorrido em 2003, foi suspenso. Dos 25 jurados 11 afirmaram que estavam se sentindo pressionados. O Ministério Público já requereu o desaforamento do processo. Com isso, o julgamento só irá acontecer depois que o Tribunal de Justiça de Alagoas der um parecer.

Júri de acusados de matar sem terra é suspenso
Júri de acusados de matar sem terra é suspenso
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas247 - O julgamento dos acusados no assassinato do sem terra Luciano Alves, “o Grilo”, crime ocorrido em 2003, foi suspenso, mais uma vez, nesta quarta-feira (17), depois que 11 dos 25 jurados declararam não ter condições de participar do júri. Agora, o Ministério Público Estadual (MPE) quer o desaforamento do processo. 

“A suspensão aconteceu depois que os jurados disseram que estavam sentindo algum tipo de pressão. O Ministério Público já requereu o desaforamento do processo e o julgamento só poderá acontecer depois que o Tribunal de Justiça der um parecer a esse respeito”, afirma assistente de acusação, Inaldo Valois, destacando que novos jurados deverão ser convocados. 

Enquanto o julgamento era suspenso dentro do Fórum de Arapiraca, trabalhadores rurais do Movimento Sem Terra (MST) realizavam um protesto em frente ao local, com o objetivo de cobrar a punição dos acusados no crime, ocorrido há 10 anos. 

“Não entendemos o porquê de tanta demora. O Poder Judiciário está devendo muito aos trabalhadores do campo. É preciso que haja urgência no julgamento de todos os casos envolvendo integrantes de movimentos sociais”, afirma José Roberto Silva, da Direção Nacional do MST, se referindo a outros crimes envolvendo integrantes dos movimentos sociais em Alagoas. 

O julgamento deveria ter acontecido no último dia 3 de julho, mas foi adiado para esta quarta-feira após pedido de vistas dos advogados de defesa. 

Pela morte de “Grilo” estão sendo julgados José Francisco da Silva, conhecido como “Zé Catu”, que é vereador do município de Girau do Ponciano; Francisco da Silva, irmão do vereador, e José Olegário dos Santos. Outro acusado no crime, Josinaldo José dos Santos, morreu antes de ser julgado.

Com gazetaweb.com

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247