Justiça determina afastamento do vice-prefeito de Maracanaú

Liminar requerida pelo Ministério Público do Estado do Ceará foi deferida e determina o afastamento imediato do vice-prefeito, Carlos Eduardo Bandeira de Mello, por ato de improbidade administrativa. Em abril de 2014, a justiça já havia determinado o bloqueio de bens e afastamento do vice e de outros acusados de envolvimento no esquema de fraude em licitação, corrupção e formação de quadrilha

Liminar requerida pelo Ministério Público do Estado do Ceará foi deferida e determina o afastamento imediato do vice-prefeito, Carlos Eduardo Bandeira de Mello, por ato de improbidade administrativa. Em abril de 2014, a justiça já havia determinado o bloqueio de bens e afastamento do vice e de outros acusados de envolvimento no esquema de fraude em licitação, corrupção e formação de quadrilha
Liminar requerida pelo Ministério Público do Estado do Ceará foi deferida e determina o afastamento imediato do vice-prefeito, Carlos Eduardo Bandeira de Mello, por ato de improbidade administrativa. Em abril de 2014, a justiça já havia determinado o bloqueio de bens e afastamento do vice e de outros acusados de envolvimento no esquema de fraude em licitação, corrupção e formação de quadrilha (Foto: Rodrigo Rocha)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Nova sentença judicial, dessa vez na esfera Cívil, foi deferida contra o vice-prefeito de Maracanaú, Carlos Eduardo Bandeira de Mello. A juíza da 3ª Vara Cível de Maracanaú, Carla Suziany Alves de Moura, deferiu liminar, no último dia 4, requerida pelo Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), determinando o imediato afastamento do vice-prefeito até a conclusão da instrução da Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa.

Além do vice-prefeito, são acusados de improbidade administrativa Adna Cordeiro Câmara, Adrinaldo Oliveira Almeida, Alisson Dehon Cordeiro Câmara, Antônio Cléber Uchoa Cunha, Débora Lopes de Araújo Bezerra de Menezes, Edson Pereira de Sousa, Edvirges Honório de Medeiros, Egídio Cordeiro de Abreu Filho, Elaine Cristina da Costa Mota, Flávio Rodrigues Lira, Flávio Santana Cunha, Francisco Eduardo Nascimento dos Santos, Jairo Fontenele Marques Filho, José Carlos Guilherme, José Flávio Uchoa Cunha, Marcos Barboza da Silva, Valter César Almeida Barbosa e a empresa Cacique Construções e Serviços ambientais  LTDA.
Na decisão liminar, a juíza proibiu todos, pessoas físicas, de exercerem funções públicas relacionadas a licitações e contratos no Município; suspendeu os contratos administrativos firmados com a empresa Cacique Construções e Serviços ambientais, proibindo qualquer pagamento àquela empresa; e decretou a indisponibilidade dos bens móveis e imóveis de todos os promovidos, até o valor de R$ 4.709.344,92.

Em abril de 2014, o juiz da 1ª Vara Criminal de Maracanaú já havia determinado o bloqueio de bens e o afastamento de Carlos Eduardo Bandeira de Mello, entre outros  acusados de envolvimento no esquema de fraude em licitação, corrupção e formação de quadrilha contra a Administração Pública de Maracanaú.

(Informações do Ministério Público do Ceará)

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247