Justiça dribla Marco Civil e permite a Doria identificar críticos no Facebook

Decisão da justiça paulista permite que o evento ‘Virada Cultural na Casa de João Dorian’, da página ‘Deixe a Esquerda Livre’, previsto para o dia 13 de maio e criado e convocado pelas redes sociais poderia acontecer, mas o Facebook seria obrigado a entregar a identificação das máquinas que organizaram os encontros, os textos e os memes publicados; foi iniciada após o prefeito ter anunciado, mesmo antes da posse, que iria tirar os eventos da Virada Cultural do Centro da capital para o autódromo de Interlagos

 Prefeito João Doria 
 Prefeito João Doria  (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SP 247 – A encrenca entre o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), e a página ‘Deixe a Esquerda Livre’, no Facebook, não tem fim. O embate jurídico e virtual – que ocorre desde dezembro - entre os advogados do prefeito e a página no Face permanece ainda maior após decisão judicial.

O juiz Fernando Henrique de Oliveira Bolcatti decidiu que o evento ‘Virada Cultural na Casa de João Dorian’, da página ‘Deixe a Esquerda Livre’, previsto para o dia 13 de maio e criado e convocado pelas redes sociais poderia acontecer, mas o Facebook seria obrigado a entregar a identificação das máquinas que organizaram os encontros, os textos e os memes publicados.

No entanto, especialistas afirmam que essa decisão do juiz é contrária ao artigo 22 do Marco Civil, segundo reportagem de Marcos Sérgio Silva, do UOL (leia aqui).

Toda essa confusão ente a página no Facebook e João Doria foi iniciada após o prefeito ter anunciado, mesmo antes da posse, que iria tirar os eventos da Virada Cultural do Centro da capital para o autódromo de Interlagos.

Foi a deixa a para a página ‘Deixe a Esquerda Livre’ no mesmo dia lançar o evento ‘Virada Cultural na Casa de João Dorian com sessão de abraços em Bia Dorian’.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247