Lançada Frente Parlamentar em defesa dos bancos públicos

A privatização de bancos públicos é uma das cartas nas mesas tanto do Palácio do Planalto quanto do Piratini. Os governos de Michel Temer (PMDB) e do governador José Ivo Sartori (PMDB) vêm colocando a possibilidade de encaminhar a venda de bancos estatais como moeda de troca para virar a crise financeira de ambos os poderes; para contrapor a ofensiva, senadores e deputados criaram uma frente parlamentar mista em defesa dos bancos públicos; a iniciativa foi lançada em Porto Alegre, no auditório da Fetrafi (Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Instituições Financeiras do Rio Grande do Sul)

A privatização de bancos públicos é uma das cartas nas mesas tanto do Palácio do Planalto quanto do Piratini. Os governos de Michel Temer (PMDB) e do governador José Ivo Sartori (PMDB) vêm colocando a possibilidade de encaminhar a venda de bancos estatais como moeda de troca para virar a crise financeira de ambos os poderes; para contrapor a ofensiva, senadores e deputados criaram uma frente parlamentar mista em defesa dos bancos públicos; a iniciativa foi lançada em Porto Alegre, no auditório da Fetrafi (Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Instituições Financeiras do Rio Grande do Sul)
A privatização de bancos públicos é uma das cartas nas mesas tanto do Palácio do Planalto quanto do Piratini. Os governos de Michel Temer (PMDB) e do governador José Ivo Sartori (PMDB) vêm colocando a possibilidade de encaminhar a venda de bancos estatais como moeda de troca para virar a crise financeira de ambos os poderes; para contrapor a ofensiva, senadores e deputados criaram uma frente parlamentar mista em defesa dos bancos públicos; a iniciativa foi lançada em Porto Alegre, no auditório da Fetrafi (Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Instituições Financeiras do Rio Grande do Sul) (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Fernanda Canofre, Sul 21 - A privatização de bancos públicos é uma das cartas nas mesas tanto do Palácio do Planalto quanto do Piratini. Os governos de Michel Temer (PMDB) e do governador José Ivo Sartori (PMDB) vêm colocando a possibilidade de encaminhar a venda de bancos estatais como moeda de troca para virar a crise financeira de ambos os poderes. Para contrapor a ofensiva, senadores e deputados criaram uma frente parlamentar mista em defesa dos bancos públicos. Nesta segunda-feira (09), a iniciativa foi lançada em Porto Alegre, no auditório da Fetrafi (Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Instituições Financeiras do Rio Grande do Sul).

A frente surgiu de uma articulação do senador Lindbergh Farias (PT/RJ) com o deputado federal Zé Carlos (PT/MA). Bancário de carreira da Caixa Econômica Federal, o deputado explica que a frente conseguiu reunir mais de 180 assinaturas – o mínimo necessário ou um terço de cada casa – mas que havia mais parlamentares interessados em aderir ao movimento. Eles encerraram a lista, porém, para poder divulgar o debate o mais cedo possível.

“Ela tem a função de mobilizar a sociedade para a conscientização do que está acontecendo, das mentiras do governo”, diz o petista. “Não pode olhar só o empregado do banco. Tem que olhar a quem ele atende, que é a sociedade. Essa é a mais prejudicada”.

A ideia pretende debater as mudanças estruturais que vêm sendo encaminhadas no Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Além disso, em Estados como o Rio Grande do Sul, pretende também criar a discussão em torno de bancos locais ameaçados de privatização, como é o caso de Banrisul, Badesul e BRDE. (Banco Regional de Desenvolvimento Econômico).

“Essa Frente é para unificar a luta de todos, para manter o sistema financeiro público. O governo [do Estado] não consegue privatizar o Banrisul por conta da exigência de plebiscito, então está sucateando e vendendo aos poucos. A venda das ações é mais um capítulo dessa história”, analisa o presidente do Sindicato dos Bancários do RS (Sindbancários), Everton Gimenis. Ele se refere ao anúncio feito na semana passada, por Sartori, de que colocaria 49% das ações ordinárias do banco (com direito a voto) à venda.

Já o governo Temer, depois de enxugar o número de agências de bancos públicos em todo o país, estaria preparando a privatização do Banco do Brasil como o primeiro da fila. Segundo informações da Rede Brasil Atual, no final de agosto, o Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro denunciou a contratação de Pedro Moreira Salles, do Itaú Unibanco, integrante do conselho administrativo da empresa Falconi Consultores de Resultado, que foi contratada, sem licitação, para preparar o desmonte do Banco do Brasil.

“São os bancos públicos que fazem, por exemplo, as operações anti-cíclicas na economia. Os bancos privados não querem correr risco, não querem emprestar para o pequeno agricultor, não querem pagar seguro-desemprego, não querem adotar agências VIP para o povo. Eles querem fazer grandes empréstimos de curto prazo e compor com risco”, afirma o deputado Zé Carlos. “Os bancos privados têm foco no financeiro, enquanto os bancos públicos focam no social”.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247