Líder do PCdoB propõe acordo com antiga oposição na Câmara

“A oposição atual, que é composta pelo PT, PCdoB, PSOL, Rede e PDT, tem papel muito importante e busca se unir em defesa da democracia. Não terá, entretanto, maioria para derrotar o chamado Centrão, o candidato de Cunha e do interino Michel Temer (PMDB). Por essa razão, é necessário dialogar com parte da oposição de ontem (DEM, PSDB e PPS)”, diz o líder do PCdoB na Câmara, deputado Daniel Almeida (BA)

“A oposição atual, que é composta pelo PT, PCdoB, PSOL, Rede e PDT, tem papel muito importante e busca se unir em defesa da democracia. Não terá, entretanto, maioria para derrotar o chamado Centrão, o candidato de Cunha e do interino Michel Temer (PMDB). Por essa razão, é necessário dialogar com parte da oposição de ontem (DEM, PSDB e PPS)”, diz o líder do PCdoB na Câmara, deputado Daniel Almeida (BA)
“A oposição atual, que é composta pelo PT, PCdoB, PSOL, Rede e PDT, tem papel muito importante e busca se unir em defesa da democracia. Não terá, entretanto, maioria para derrotar o chamado Centrão, o candidato de Cunha e do interino Michel Temer (PMDB). Por essa razão, é necessário dialogar com parte da oposição de ontem (DEM, PSDB e PPS)”, diz o líder do PCdoB na Câmara, deputado Daniel Almeida (BA) (Foto: Roberta Namour)

247 – Com a renúncia do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acelera a negociação de aliança de forças políticas distintas para vencerem o chamado Centrão (PP, PR, PTB e PSD), núcleo aliado ao peemedebista, na disputa pela presidência da Casa na próxima semana.

O líder do PCdoB na Câmara, deputado Daniel Almeida (BA), defende acordo com antiga oposição:

“A oposição atual, que é composta pelo PT, PCdoB, PSOL, Rede e PDT, tem papel muito importante e busca se unir em defesa da democracia. Não terá, entretanto, maioria para derrotar o chamado Centrão, o candidato de Cunha e do interino Michel Temer (PMDB). Por essa razão, é necessário dialogar com parte da oposição de ontem (DEM, PSDB e PPS)”, diz.

“O objetivo não é estabelecer uma agenda e compromissos com o governo ou com esses setores. Mas todos podem se unir para termos um funcionamento mais normal da Casa, respeitando-se nossas diferenças e propiciando o debate”, acrescenta.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247