Líder do PSDB é o ‘Almofadinha’ em lista da Odebrecht da década de 80

Um dos maiores agitadores do golpe, o líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Antônio Imbassahy, está entre os políticos de uma lista de propina da Odebrecht da década de 1980; com o codinome 'Almofadinha', Imbassahy é listado como beneficiário da obra da barragem de Pedra do Cavalo, quando ele era presidente da Companhia de Eletricidade da Bahia (Coelba); o tucano ficou no cargo entre 1979 e 1984, cinco dos seis anos de execução da obra

Um dos maiores agitadores do golpe, o líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Antônio Imbassahy, está entre os políticos de uma lista de propina da Odebrecht da década de 1980; com o codinome 'Almofadinha', Imbassahy é listado como beneficiário da obra da barragem de Pedra do Cavalo, quando ele era presidente da Companhia de Eletricidade da Bahia (Coelba); o tucano ficou no cargo entre 1979 e 1984, cinco dos seis anos de execução da obra
Um dos maiores agitadores do golpe, o líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Antônio Imbassahy, está entre os políticos de uma lista de propina da Odebrecht da década de 1980; com o codinome 'Almofadinha', Imbassahy é listado como beneficiário da obra da barragem de Pedra do Cavalo, quando ele era presidente da Companhia de Eletricidade da Bahia (Coelba); o tucano ficou no cargo entre 1979 e 1984, cinco dos seis anos de execução da obra (Foto: Romulo Faro)

Bahia 247 - Um dos maiores agitadores do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Antônio Imbassahy, está entre os políticos de uma lista de políticos que recebiam propina da Odebrecht na década de 1980.

Com o codinome 'Almofadinha', Imbassahy é listado como beneficiário da obra da barragem de Pedra do Cavalo, na Bahia, quando ele era diretor-presidente da Companhia de Eletricidade da Bahia (Coelba), que hoje é uma empresa privada. O tucano ficou no cargo entre 1979 e 1984, cinco dos seis anos de execução da obra.

Neste mesmo período ele foi também membro e depois presidente do Conselho da Companhia do Vale do Paraguaçu, a DESENVALE, estatal que contratou a obra.

O deputado federal baiano Jorge Solla (PT) encaminhou nesta quarta-feira (23) ofício à Polícia Federal em Curitiba para que seja publicitado o encaminhamento dado aos documentos da contabilidade paralela da Odebrecht da década de 80 entregue pelo parlamentar às investigações da Operação Lava-Jato.

"O livro de códigos, por exemplo, pode ter ajudado a revelar a identidade de algumas pessoas, há pelo ao menos cinco codinomes que aparecem nas listas divulgadas na contabilidade do ano passado que já existiam na década de 80. Há também o número de contas em paraísos fiscais em que podem haver movimentações recentes de recebimento de propina", diz Solla.

O petista destaca que a apuração sobre a origem do esquema criminoso tem "forte interesse público para que se registre na história a verdade sobre a corrupção no país". Ele cobrou ainda explicações dos políticos citados nos documentos.

"Os corruptos da Odebrecht precisam se explicar publicamente. Não terão a punição da Justiça porque naquela época a impunidade era regra e os crimes prescreveram. Mas a verdade vir à tona é fundamental para que saibamos separar quem de fato combate a corrupção de quem se beneficiou dela toda a vida e agora se utilizada de bravatas hipócritas para tomar o poder. O tribunal das urnas saberá julgar estes políticos", completou.

Nesta quarta-feira, a ex-funcionária da Odebrecht que entregou os documentos à Solla, Conceição Andrade, revelou em entrevista ao jornal O Globo detalhes da operação do pagamento de propina à época: "Muitos desses manuscritos entregues à CPI eram bilhetes que eu recebi do meu gerente para operacionalizar os pagamentos. Eu embalei muito dinheiro em caixas", disse.

O documento apreendido pela Polícia Federal tem figurões da política nacional como o senador Jader Barbalho (PMDB), o ex-ministro Edson Lobão (PMDB), o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB), o ex-deputado João Agripino Maia Neto, o empresário Fernando Sarney, o deputado José Sarney Filho e a ex-governadora Roseana Sarney.

Na lista, o PMDB pernambucano aparece relacionado com a obra do metrô de Recife. Aparecem também os nomes de cinco ex-governadores e dois ex-senadores que já saíram da política.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247