Liminar cai e concurso da Polícia Civil está mantido

Procuradoria do Estado de Goiás conseguiu derrubar a liminar que determinou a suspensão do concurso público da Polícia Civil por meio de um Agravo de Instrumento protocolado na terça pelo Sinpol; assim, estão mantidas as provas para os candidatos inscritos, provenientes de todo o Brasil e que estão interessados em entrar para a Polícia Civil de Goiás

Procuradoria do Estado de Goiás conseguiu derrubar a liminar que determinou a suspensão do concurso público da Polícia Civil por meio de um Agravo de Instrumento protocolado na terça pelo Sinpol; assim, estão mantidas as provas para os candidatos inscritos, provenientes de todo o Brasil e que estão interessados em entrar para a Polícia Civil de Goiás
Procuradoria do Estado de Goiás conseguiu derrubar a liminar que determinou a suspensão do concurso público da Polícia Civil por meio de um Agravo de Instrumento protocolado na terça pelo Sinpol; assim, estão mantidas as provas para os candidatos inscritos, provenientes de todo o Brasil e que estão interessados em entrar para a Polícia Civil de Goiás (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247 - A Procuradoria do Estado de Goiás conseguiu derrubar a liminar que determinou a suspensão do concurso público da Polícia Civil por meio de um Agravo de Instrumento protocolado na terça pelo Sinpol. Assim, estão mantidas as provas para os candidatos inscritos, provenientes de todo o Brasil e que estão interessados em entrar para a Polícia Civil de Goiás.

A sentença foi proferida pelo desembargador Itamar de Lima, do Tribunal de Justiça de Goiás - TJGO - que entendeu que os argumento da procuradoria do Estado foram suficientes para a suspensão da liminar que suspendia o certame.

No Agravo de Instrumento, explicou o procurador Alexandre Tocantins, em entrevista na manhã desta quinta ao site Diário de Goiás, o governo de Goiás alegou que o concurso já tinha sofrido questionamento do Sinpol - Sindicato dos Policiais Civis de Goiás - numa Ação Direta de Constitucionalidade - ADIN - que não prosperou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247