Lula quer o PSB como vice de Dilma em 2014

Como a vaga é hoje ocupada pelo PMDB, o PT negociaria o cargo em troca do apoio a Gabriel Chalita ao governo de São Paulo; a intenção do ex-presidente é usar um ex-tucano para acabar com a hegemonia do PSDB no Estado

Lula quer o PSB como vice de Dilma em 2014
Lula quer o PSB como vice de Dilma em 2014
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já fala do desejo de lançar o governador Eduardo Campos (PSB-PE) como vice de Dilma Rousseff na disputa presidencial de 2014, segundo reportagem da Folha.

Como a vaga é hoje ocupada pelo PMDB, o PT negociaria o cargo em troca do apoio a Gabriel Chalita ao governo de São Paulo. O peemedebista foi candidato à prefeitura de São Paulo na eleição de 2012.

O atual vice de Dilma, Michel Temer (PMDB-SP), ainda não teria sido consultado sobre o assunto, mas tudo indica que haverá resistências. O partido está prestes a assumir o controle do Senado e da Câmara e dificilmente abriria mão do cargo de vice.

O governador de Pernambuco questionou a aliança PT-PMDB na disputa presidencial de 2014. "Há um grande risco para quem monta coalização para governar quando a aliança política não corresponde à aliança social feita para ganhar a eleição. Acho que a expressão que o PMDB começa a tomar nessa aliança é muito maior do que o que o PMDB representa na sociedade brasileira e isso, um dia, é resolvido pelos políticos ou pelo povo."

"A gente já viu, em outros momentos, alianças políticas que foram feitas em determinadas conjunturas e que tentaram impor à sociedade a sua manutenção e o povo rapidamente não consentiu e a desmontou", afirmou o governador, ao lembrar que em 1986 o PMDB elegeu governadores de todos os demais Estados do Brasil, exceto em Sergipe, onde o PFL venceu a eleição com Antônio Carlos Valadares.

Por trás da mudança, Lula tem o interesse de acabar com a hegemonia do PSDB no governo de São Paulo. Como ex-tucano, Chalita poderia atrair eleitores de Alckmin.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247