Major Araújo diz que sofreu boicote e censura da cúpula do PMDB

Sem nenhum aliado acompanhando, o deputado Major Araújo (PRP) concedeu entrevista na Assembleia Legislativa para explicar os motivos de sua renúncia ao cargo de vice-prefeito de Goiânia; Araújo disse que sofreu "boicote" e "censura" por parte da cúpula do PMDB na campanha de Iris Rezende pela prefeitura da Capital; "Sei que Iris não governa sozinho, tem seus homens e eu não queria atrapalhar", disse o parlamentar

Sem nenhum aliado acompanhando, o deputado Major Araújo (PRP) concedeu entrevista na Assembleia Legislativa para explicar os motivos de sua renúncia ao cargo de vice-prefeito de Goiânia; Araújo disse que sofreu "boicote" e "censura" por parte da cúpula do PMDB na campanha de Iris Rezende pela prefeitura da Capital; "Sei que Iris não governa sozinho, tem seus homens e eu não queria atrapalhar", disse o parlamentar
Sem nenhum aliado acompanhando, o deputado Major Araújo (PRP) concedeu entrevista na Assembleia Legislativa para explicar os motivos de sua renúncia ao cargo de vice-prefeito de Goiânia; Araújo disse que sofreu "boicote" e "censura" por parte da cúpula do PMDB na campanha de Iris Rezende pela prefeitura da Capital; "Sei que Iris não governa sozinho, tem seus homens e eu não queria atrapalhar", disse o parlamentar (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247 - O deputado estadual Major Araújo (PRP) deu entrevista na tarde desta segunda-feira, na Assembleia Legislativa, para explicar os motivos da renúncia ao cargo de vice-prefeito de Goiânia. Sozinho numa sala da Alego, Araújo disse que sofreu "boicote" e "censura" por parte da cúpula da campanha de Iris Rezende ao longo da campanha.

“Acredito que poderia ter conflitos se eu assumisse e iria acabar isolado na administração, porque continuaria tendo meus posicionamentos. Não via sucesso”, explicou o deputado. A justificativa principal de Major Araújo para ficar na Assembleia é que não pode abandonar suas bases, mas os adversários afirmam que a diferença salarial é a grande razão.

Araújo evitou criticar o prefeito eleito Iris Rezende. "Sei que Iris não governa sozinho, tem seus homens e eu não queria atrapalhar. Goiânia merece uma administração harmoniosa. O PMDB e o Iris podem fazer alianças pra eleger, na Câmara, um vice competente pra administração. Iris tem competência e está acima de qualquer um de nós pra conduzir o processo”.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247