Manuela: ‘Sartori só tem projeto de cortes. Precisamos debater como desenvolver RS’

Em entrevista ao Sul21, a deputada estadual Manuela D'Ávila, apontada pelo PCdoB gaúcho como um nome para disputar o Palácio Piratini, critica a administração de José Ivo Sartori (PMDB); para ela, o centro de um programa para o Rio Grande do Sul passa por um projeto de desenvolvimento para o Estado, o que implica debater para quê serve o Estado e a quem ele deve servir; "Sartori só tem um projeto de cortes, totalmente desvinculado de qualquer projeto de desenvolvimento. O plano de recuperação fiscal prevê 20 anos sem contratação de servidores. Como assim, ficar 20 anos sem contratar professores e brigadianos, só para citar essas duas áreas?", questiona

Em entrevista ao Sul21, a deputada estadual Manuela D'Ávila, apontada pelo PCdoB gaúcho como um nome para disputar o Palácio Piratini, critica a administração de José Ivo Sartori (PMDB); para ela, o centro de um programa para o Rio Grande do Sul passa por um projeto de desenvolvimento para o Estado, o que implica debater para quê serve o Estado e a quem ele deve servir; "Sartori só tem um projeto de cortes, totalmente desvinculado de qualquer projeto de desenvolvimento. O plano de recuperação fiscal prevê 20 anos sem contratação de servidores. Como assim, ficar 20 anos sem contratar professores e brigadianos, só para citar essas duas áreas?", questiona
Em entrevista ao Sul21, a deputada estadual Manuela D'Ávila, apontada pelo PCdoB gaúcho como um nome para disputar o Palácio Piratini, critica a administração de José Ivo Sartori (PMDB); para ela, o centro de um programa para o Rio Grande do Sul passa por um projeto de desenvolvimento para o Estado, o que implica debater para quê serve o Estado e a quem ele deve servir; "Sartori só tem um projeto de cortes, totalmente desvinculado de qualquer projeto de desenvolvimento. O plano de recuperação fiscal prevê 20 anos sem contratação de servidores. Como assim, ficar 20 anos sem contratar professores e brigadianos, só para citar essas duas áreas?", questiona (Foto: Aquiles Lins)

Marco Weissheimer, Sul 21 - A 19ª Conferência Estadual do PCdoB, realizada dias 21 e 22 de outubro, em Porto Alegre, aprovou um indicativo em favor do lançamento de candidatura própria ao governo do Estado em 2018. Duas mulheres foram apontadas como possíveis candidatas: a deputada estadual Manuela D’Ávila e Abigail Pereira, que foi candidata a vice-governadora na eleição de 2014, na chapa com Tarso Genro (PT). O encontro também defendeu a necessidade de construção de uma frente ampla e popular para enfrentar a atual ofensiva conservadora e debater um programa de desenvolvimento para o Estado.

Em entrevista ao Sul21, Manuela D’Ávila fala das decisões do PCdoB e sobre a possibilidade de ser candidata ao Palácio Piratini. A deputada situa também o processo eleitoral gaúcho em um cenário nacional marcado por incertezas, inclusive em relação à própria realização de eleições no ano que vem. “A nossa conferência foi um momento de reflexão sobre esse quadro, com a reafirmação de alguns pontos que já são marcas do PCdoB, como o entendimento de que o protagonismo dos nossos partidos não pode ser o centro e de que precisamos construir uma frente ampla e popular”, afirma.

Para ela, o centro de um programa para o Rio Grande do Sul passa por um projeto de desenvolvimento para o Estado, o que implica debater para quê serve o Estado e a quem ele deve servir. “Sartori só tem um projeto de cortes, totalmente desvinculado de qualquer projeto de desenvolvimento. O plano de recuperação fiscal prevê 20 anos sem contratação de servidores. Como assim, ficar 20 anos sem contratar professores e brigadianos, só para citar essas duas áreas?” – questiona.

Sul21A conferência estadual do PCdoB, realizada recentemente, aprovou um indicativo a favor da candidatura própria na eleição para o governo do Estado em 2018. Qual a sua leitura a respeito do cenário político e eleitoral que se avizinha para o próximo ano aqui no Rio Grande do Sul?

Manuela D’Ávila: O momento que estamos vivendo é de muita instabilidade. Os partidos retardaram muito o debate sobre as eleições por várias razões. A primeira – e creio que a principal para os partidos de esquerda – é a incerteza em relação à existência da própria eleição. Essa variável ainda persiste. A democracia brasileira está vivendo um momento tão instável que a própria realização das eleições é incerta, assim como a situação de Lula, principal ator desse processo eleitoral. Estamos falando de uma eleição presidencial depois de um golpe. A segunda razão dessa demora está relacionada à definição das regras eleitorais. Os partidos sequer conheciam o conjunto dessas regras para 2018 que poderiam ter impacto nas alianças estaduais.

Isso fez com que atrasássemos também um debate mais programático e unitário entre os partidos. Mas o cenário, desta vez, é muito diferente daquele que tivemos nos anos anteriores. Nós não temos um debate em torno das eleições, mas os partidos, movimentos sociais, movimento sindical, parlamentares e intelectuais do nosso campo político nunca estiveram tão próximos. A ofensiva conservadora que estamos vivendo é muito gigante. A nossa conferência foi um momento de reflexão sobre esse quadro, com a reafirmação de alguns pontos que já são marcas do PCdoB, como o entendimento de que o protagonismo dos nossos partidos não pode ser o centro e de que precisamos construir uma frente ampla e popular. Isso é algo que já defendemos há bastante tempo. A conferência também definiu que temos nomes para essa disputa e os dois nomes principais são de duas mulheres, o meu e o da Abigail (Pereira).

Sul21Em que medida esse caráter de excepcionalidade que estamos vivendo está sendo percebido, de fato, pelas forças políticas que compõem o campo da esquerda?

Manuela D’Ávila: Acho que há um grau razoável de assimilação, mas a ofensiva é muito grande e rápida. Seja no meu trabalho como deputada ou no teu como jornalista, quem consegue, na sua rotina, acompanhar o conjunto de ambientes de resistência ao desmonte do Estado no Rio Grande do Sul e em Porto Alegre? No mesmo dia, temos a aula de resistência do Cpers, em uma greve que já dura 50 dias com enorme adesão dos professores, temos a greve dos municipários de Porto Alegre com uma adesão gigantesca, só para citar dois exemplos. A ofensiva é tão gigantesca que, mesmo setores que podiam estar em dúvida sobre a dimensão do que está acontecendo, já se convenceram.

Então, eu acho que a maior parte da esquerda tem consciência, sim, do momento que estamos vivendo. A ofensiva da direita e a forma como vem sendo conduzida a Operação Lava Jato ajudaram a consolidar essa percepção. A velocidade de destruição do Estado brasileiro é avassaladora. Em semanas, no pós-golpe, eles já construíram a reforma trabalhista. A força que Michel Temer tem, mesmo estando mais fraco dentro do Congresso, é sustentada pelo projeto que ele representa e esse projeto está explicitado nesta ofensiva da direita.

Sul21Estamos fechando três anos de governo Sartori no Rio Grande do Sul, um período que vem sendo marcado pela lógica do Estado mínimo, com uma agenda de privatizações ou simplesmente extinções de instituições públicas. Pensando na necessidade de um debate programático para 2018, que tipo de programa pode ser oferecido à sociedade após um governo com esse perfil?

Manuela D’Ávila: O centro de um programa para o Rio Grande do Sul é ter um projeto de desenvolvimento para o Estado, o que implica debater para quê serve o Estado e para quem ele deve servir. Precisamos debater como desenvolver o Rio Grande do Sul? Essa é uma crítica da esquerda e também de setores da direita ao atual governo. Sartori só tem um projeto de cortes, totalmente desvinculado de qualquer projeto de desenvolvimento. O plano de recuperação fiscal congela por 20 anos a contratação de pessoal. Estamos falando de recursos públicos que são essenciais para a população. É razoável que alguém que não utilize a escola pública pense em 20 anos sem a contratação de professores, mas estamos falando de um Estado onde há mulheres que não têm onde deixar seus filhos no turno inverso. Como assim, ficar 20 anos sem contratar professores? Estamos falando de cinco governos sem contratar professores e brigadianos, apenas para ficar nestas duas áreas de muita relevância e que são condições para o desenvolvimento do Estado.

Sul21O teu mandato como deputada estadual tem trabalhado, entre outras coisas, o tema do crescimento da cultura do ódio e da intolerância na sociedade. Em que medida esse fenômeno pode influenciar o processo eleitoral de 2018 aqui no Rio Grande do Sul?

Manuela D’Ávila: Eu debato esse tema com o PCdoB desde 2014. Na eleição daquele ano, eu já identificava grupos começando a tomar forma com iniciativas físicas de ódio, agressão e construção da violência. É um conglomerado, digamos assim, que passa, entre outras coisas, pela robotização da internet, por altos investimentos em programas de big data e pela construção de muita fake News. Esse conglomerado vem instrumentalizando muita gente. Parte delas tem o sentimento legítimo de desespero alimentado pela crise econômica e pela perda da capacidade de consumo. Não estamos falando de consumismo, mas de consumo de coisas básicas. O medo de andar nas ruas é outro elemento que alimenta esse desespero.

Nós precisamos compreender que a alternativa que vem sendo construída para essas pessoas é uma alternativa de mais terror ainda, com um conservadorismo radical. Nós precisamos falar com essas pessoas. A gente não pode simplesmente pensar que elas idolatram um bandido como é o caso do Bolsonaro porque sim. Não é porque sim. Elas estão sofrendo os efeitos do desmonte do Estado que nós defendemos. Precisamos dialogar com elas, caso contrário o conservadorismo com essas características muito próximas do fascismo crescerá no processo eleitoral. É importante lembrar que o fascismo e o nazismo, na Itália e na Alemanha, não cresceram correndo por fora das camadas da classe trabalhadora. Donald Trump foi eleito com votos de trabalhadores. Precisamos compreender esse sentimento de desespero e de incerteza quanto ao futuro para podermos apresentar uma alternativa.

Sul21Na atual conjuntura, esse diálogo não parece ser algo muito simples de concretizar…

Manuela D’Ávila: Não estou me referindo às pessoas que partem para a agressão, mas sim com o povo que pode nos enxergar eventualmente como alternativa. Muitas pessoas que votaram no Lula não podem ter se transformado, do nada, em apoiadoras do Bolsonaro. Existe a perda da capacidade delas de viver dignamente. Como disse antes, a crise econômica gera sentimentos de desespero. O teu salário não comprar mais a comida para o teu filho é algo desesperador. Nós precisamos, insisto, falar com essas pessoas, pois a crise é do sistema que combatemos. Como é que nós, que combatemos esse sistema há cerca de 150 anos, não nos colocamos como uma alternativa à crise do mesmo? Essa é grande pergunta da esquerda no mundo hoje. Como é que esse sistema pode se apresentar como alternativa à crise que ele próprio engendrou, numa versão ainda mais radicalizada?

Como é que um debate sobre diminuição do Estado pode servir às mulheres trabalhadoras, que não tem creche, não tem escola de turno integral, não tem praça para levar os filhos? Precisamos conversar sobre isso.

Sul21Há quem enxergue hoje, no horizonte político do país, a possibilidade de um fechamento político ainda maior. Na sua opinião, esse temor é um exagero ou é um um risco real?

 Manuela D’Ávila: Eu acho que o capitalismo, no mundo, já abriu mão da ideia de que ele só se desenvolve associado à democracia. Na verdade, voltou a abrir mão, pois já tinha aberto em outras situações. A democracia não é algo imprescindível para o capitalismo e vivemos uma consequência disso aqui no Brasil. Há outra questão importante aí. As nossas elites econômicas e midiáticas acreditam que tem o controle absoluto sobre o processo. Elas estão insuflando a candidatura do Bolsonaro, não porque acreditem nele, mas porque querem que ele polarize com a esquerda, permitindo o surgimento de uma terceira via, um Geraldo Alckmin ou um Dória. Elas acreditam que podem controlar esse processo, mas não é assim. Basta ver o tamanho que o Bolsonaro adquiriu. Ele foi meu colega durante oito anos e era absolutamente inexpressivo dentro do Congresso Nacional. Ele não fazia parte do debate político pela incapacidade individual de fazer parte dele.

Outro fator que deve ser considerado aqui é o do medo das pessoas e a situação de insegurança. A esquerda abriu mão de debater o tema da segurança de forma mais permanente. Houve algum debate com o Pronasci, quando o Tarso (Genro) estava no Ministério da Justiça, mas esse não foi um tema central dos nossos governos. Só que esse tema é central na vida do povo. A presença do narcotráfico hoje nas cidades médias e pequenas e o impacto disso na vida das pessoas é algo muito forte. Some-se medo, crise e o insuflamento de uma figura como Bolsonaro e temos um cenário de muita instabilidade e com muitas reticências pela frente.

Sul21O teu nome foi citado como uma possível candidatura do PCdoB tanto para a presidência da República quanto para o governo do Estado. Como está avaliando essas possibilidades?

Manuela D’Ávila: Eu fiz um caminho. Em 2013, tomei uma decisão política. Não estava grávida e nem sabia se ia engravidar ou não. Eu já estava em Brasília há dois mandatos e comecei a notar um desgaste meu mesmo. Foi o ano em que ocorreram aquelas grandes mobilizações. Eu vi que estava acontecendo uma transformação muito grande e eu já estava há oito anos em Brasília. Comecei a achar que eu precisava voltar a conviver mais com as pessoas e com os movimentos sociais, ter a possibilidade de ir para a Restinga, como fui hoje à tarde, e, em meia hora, estar de volta ao meu trabalho na Assembleia. A rotina em Brasília é impeditiva desse tipo de convívio. Eu queria voltar a fazer as coisas que são o que justificam fazer política para mim.

Voltei, engravidei rápido e aí sim tomei a decisão de não concorrer à prefeitura de Porto Alegre por uma questão pessoal. A minha filha tinha seis meses na época. Hoje, ela tem dois anos. Neste caminho, o PCdoB me chamou para conversar várias vezes. Recentemente, me consultou se eu queria concorrer à deputada federal e eu disse que não quero voltar à Câmara. Tomei uma decisão política de me dedicar ao Rio Grande do Sul que julgo certa. Também me perguntaram se eu não abria mão de ter mandato. Eu disse que não era uma discussão sobre ter mandato, mas sim sobre voltar ou não a ser deputada federal. A partir daí, o PCdoB começou a conversar comigo sobre a possibilidade de uma candidatura à presidência ou ao governo do Estado. Isso iniciou há algum tempo e, mais recentemente, começaram a falar sobre isso publicamente.

 

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247