Mercedes Benz é acusada de coagir funcionários para demissão em massa

O Ministério Público do Trabalho de São Paulo está processando a Mercedes-Benz por suposta demissão de 1.400 funcionários de forma "injustificada e com a utilização de coação e discriminação"; o órgão está pedindo indenização de R$ 140 milhões em dano moral coletivo.Segundo a procuradora Sofia Vilela de Moraes e Silva, as demissões atingiram "principalmente trabalhadores diagnosticados com doenças ocupacionais que se encontravam em licença remunerada para tratamento de saúde, além de pessoas com deficiência"

Malagrine
Malagrine (Foto: Romulo Faro)

SP 247 - O Ministério Público do Trabalho de São Paulo está processando a Mercedes-Benz por suposta demissão de 1.400 funcionários de forma "injustificada e com a utilização de coação e discriminação". O órgão está pedindo indenização de R$ 140 milhões em dano moral coletivo.

Segundo a procuradora Sofia Vilela de Moraes e Silva, as demissões atingiram "principalmente trabalhadores diagnosticados com doenças ocupacionais que se encontravam em licença remunerada para tratamento de saúde, além de pessoas com deficiência", de acordo com publicação do G1.

Ainda de acordo com o relato de Sofia, a Mercedes-Benz teria escolhido quais trabalhadores iriam receber a proposta de adesão ao plano de demissão voluntária (PDV). Além disso, a empresa teria coagido estes trabalhadores a aceitar o acordo, sob a pena de serem demitidos sem os benefícios.

Segundo algumas testemunhas, não identificadas, ouvidas pelo MPT, o departamento de recursos humanos da Mercedes teria coagido os funcionários a aceitarem o PDV, dizendo que teriam a opção de "sair com ou sem o PDV, porque a demissão se daria de qualquer jeito".

Outra funcionária, com deficiência auditiva, contou ao órgão que, ao retornar de licença para tratamento de saúde, deveria aceitar a proposta da empresa, já que teria sido "escolhida" por seu superior.

A Mercedes Benz disse em nota que agiu com legitimidade e nega que tenha usado critérios discriminatórios para demissões.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247