Merendão: Justiça quebra sigilos de Capez, 'Moita' e Padula

Desembargador Sérgio Rui da Fonseca, relator da Operação Alba Branca no TJSP, autorizou a quebra dos sigilos bancário e fiscal do presidente da Assembleia Legislativa, Fernando Capez (PSDB), dos ex-chefes de Gabinete da Casa Civil e da Educação do governo Alckmin – Luiz Roberto dos Santos, o 'Moita' (acima à direita), e Fernando Padula (abaixo), respectivamente, e outras nove pessoas suspeitas de envolvimento na máfia da merenda escolar investigada na Operação Alba Branca; magistrado autorizou abertura de Procedimento Investigatório Criminal (PIC) contra Capez, 'Moita', Padula e integrantes da cooperativa Coaf por corrupção ativa e passiva, tráfico de influência e organização criminosa

www.brasil247.com - Desembargador Sérgio Rui da Fonseca, relator da Operação Alba Branca no TJSP, autorizou a quebra dos sigilos bancário e fiscal do presidente da Assembleia Legislativa, Fernando Capez (PSDB), dos ex-chefes de Gabinete da Casa Civil e da Educação do governo Alckmin – Luiz Roberto dos Santos, o 'Moita' (acima à direita), e Fernando Padula (abaixo), respectivamente, e outras nove pessoas suspeitas de envolvimento na máfia da merenda escolar investigada na Operação Alba Branca; magistrado autorizou abertura de Procedimento Investigatório Criminal (PIC) contra Capez, 'Moita', Padula e integrantes da cooperativa Coaf por corrupção ativa e passiva, tráfico de influência e organização criminosa
Desembargador Sérgio Rui da Fonseca, relator da Operação Alba Branca no TJSP, autorizou a quebra dos sigilos bancário e fiscal do presidente da Assembleia Legislativa, Fernando Capez (PSDB), dos ex-chefes de Gabinete da Casa Civil e da Educação do governo Alckmin – Luiz Roberto dos Santos, o 'Moita' (acima à direita), e Fernando Padula (abaixo), respectivamente, e outras nove pessoas suspeitas de envolvimento na máfia da merenda escolar investigada na Operação Alba Branca; magistrado autorizou abertura de Procedimento Investigatório Criminal (PIC) contra Capez, 'Moita', Padula e integrantes da cooperativa Coaf por corrupção ativa e passiva, tráfico de influência e organização criminosa (Foto: Aquiles Lins)


SP 247 - O desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo Sérgio Rui da Fonseca autorizou a quebra dos sigilos bancário e fiscal do presidente da Assembleia Legislativa, Fernando Capez (PSDB), dois ex-assessores do próximos do governador Alckmin – Luiz Roberto dos Santos, o 'Moita', ex-Casa Civil, e Fernando Padula, ex-chefe de Gabinete da Secretaria da Educação, e outras nove pessoas suspeitas de envolvimento na máfia da merenda escolar investigada na Operação Alba Branca.

Segundo reportagem do jornalista Fausto Macêdo, o desembargador autorizou também a abertura de Procedimento Investigatório Criminal (PIC) contra Capez, 'Moita', Padula e integrantes da cooperativa Coaf por corrupção ativa e passiva, tráfico de influência e organização criminosa.

Investigados ligados à cooperativa citaram o presidente da Assembleia como destinatário de comissão sobre valores de contratos com administrações municipais e com o Estado.

O grampo da força-tarefa da Polícia Civil e do Ministério Público Estadual pegou contatos frequentes do lobista da organização com Luiz Roberto dos Santos, o 'Moita', que era braço direito do chefe da Casa Civil de Alckmin, Edson Aparecido – um dia antes de Alba Branca sair às ruas, 'Moita' foi afastado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email