Metade dos assassinatos é motivada por retaliações

Levantamento do pesquisador Rafael Rocha, doutor em sociologia do Centro de Estudos em Criminalidades e Segurança Pública (Crisp) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), apontou que a retaliação (vingança) é a causa de cerca de 55% dos homicídios, entre 2010 e 2014 nas comunidades do Alto Vera Cruz, Taquaril e Granja de Freitas, na região Leste de Belo Horizonte; os outros casos eram mortes por engano, latrocínios, feminicídios ou não apresentavam relação clara entre vítima e autor

Levantamento do pesquisador Rafael Rocha, doutor em sociologia do Centro de Estudos em Criminalidades e Segurança Pública (Crisp) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), apontou que a retaliação (vingança) é a causa de cerca de 55% dos homicídios, entre 2010 e 2014 nas comunidades do Alto Vera Cruz, Taquaril e Granja de Freitas, na região Leste de Belo Horizonte; os outros casos eram mortes por engano, latrocínios, feminicídios ou não apresentavam relação clara entre vítima e autor
Levantamento do pesquisador Rafael Rocha, doutor em sociologia do Centro de Estudos em Criminalidades e Segurança Pública (Crisp) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), apontou que a retaliação (vingança) é a causa de cerca de 55% dos homicídios, entre 2010 e 2014 nas comunidades do Alto Vera Cruz, Taquaril e Granja de Freitas, na região Leste de Belo Horizonte; os outros casos eram mortes por engano, latrocínios, feminicídios ou não apresentavam relação clara entre vítima e autor (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - Levantamento do pesquisador Rafael Rocha, doutor em sociologia do Centro de Estudos em Criminalidades e Segurança Pública (Crisp) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), apontou que a retaliação (vingança) é a causa de cerca de 55% dos homicídios, entre 2010 e 2014 nas comunidades do Alto Vera Cruz, Taquaril e Granja de Freitas, na região Leste de Belo Horizonte. Os outros casos eram mortes por engano, latrocínios, feminicídios ou não apresentavam relação clara entre vítima e autor.

De acordo com as estatísticas, 25 (19,5%) das 128 pessoas listadas como agressoras no montante de homicídios foram mortas após o crime.

Moradores dessas comunidades relatam que a noção de justiça está relacionada ao fato de uns matarem os outros, o que gera muitos homicídios. “Às vezes, o crime de retaliação ocorre no dia seguinte, mas muitos são algum tempo depois, o que significa que, se esses autores fossem julgados e punidos, haveria a ideia de que a Justiça estatal e não violenta existe”, afrimou o sociólogo.

Entre os 158 homicídios ocorridos nas três comunidades pesquisadas, apenas 80 se tornaram processos, 78 ainda eram inquéritos policiais em aberto, e alguns não tinham nem suspeitos.

As informações foram publicadas no jornal O Tempo 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247