Minas vai pagar piso salarial aos professores

O estado, agora, vai pagar um abono salarial aos docentes, conforme foi garantido pelo secretário adjunto de Planejamento e Gestão, Wieland Silberschneider, reajustando o piso ano a ano até atingir o valor nacional para todos os trabalhadores;  “O primeiro passo já foi dado. Nossa proposta de abono de R$ 160 já em maio representa um terço da diferença entre o que é pago hoje e o valor do piso nacional. Esse valor passaria a ser incorporado ao vencimento básico dos servidores em quatro parcelas de R$ 40, em julho e outubro de 2015 e em janeiro e abril de 2016”, explicou o secretário

O estado, agora, vai pagar um abono salarial aos docentes, conforme foi garantido pelo secretário adjunto de Planejamento e Gestão, Wieland Silberschneider, reajustando o piso ano a ano até atingir o valor nacional para todos os trabalhadores;  “O primeiro passo já foi dado. Nossa proposta de abono de R$ 160 já em maio representa um terço da diferença entre o que é pago hoje e o valor do piso nacional. Esse valor passaria a ser incorporado ao vencimento básico dos servidores em quatro parcelas de R$ 40, em julho e outubro de 2015 e em janeiro e abril de 2016”, explicou o secretário
O estado, agora, vai pagar um abono salarial aos docentes, conforme foi garantido pelo secretário adjunto de Planejamento e Gestão, Wieland Silberschneider, reajustando o piso ano a ano até atingir o valor nacional para todos os trabalhadores;  “O primeiro passo já foi dado. Nossa proposta de abono de R$ 160 já em maio representa um terço da diferença entre o que é pago hoje e o valor do piso nacional. Esse valor passaria a ser incorporado ao vencimento básico dos servidores em quatro parcelas de R$ 40, em julho e outubro de 2015 e em janeiro e abril de 2016”, explicou o secretário (Foto: Luis Mauro Queiroz)

Pautando Minas - O Governo de Minas, que desde o início da administração de Fernando Pimentel (PT), em janeiro, vem debatendo em força tarefa a política educacional e salarial dos professores da rede estadual, divulgou ontem (24) que pretende pagar o piso nacional aos professores até o fim do mandato, em 2018. Atualmente, o piso está fixado em R$ 1.917,78 para profissionais com carga horária até 40 horas semanais. Durante os doze anos de gestão tucana no estado, com Aécio Neves (2003-2010) e Antônio Anastasia (2011-2014), os professores estaduais foram pagos com base em cálculo proporcional em função das horas trabalhadas, o que não satisfez à categoria.

O estado, agora, vai pagar um abono salarial aos docentes, conforme foi garantido pelo secretário adjunto de Planejamento e Gestão, Wieland Silberschneider, reajustando o piso ano a ano até atingir o valor nacional para todos os trabalhadores. “O primeiro passo já foi dado. Nossa proposta de abono de R$ 160 já em maio representa um terço da diferença entre o que é pago hoje e o valor do piso nacional. Esse valor passaria a ser incorporado ao vencimento básico dos servidores em quatro parcelas de R$ 40, em julho e outubro de 2015 e em janeiro e abril de 2016”, explicou o secretário.

A proposta agradou aos sindicatos e entidades que representam professores no estado, como A Associação dos Diretores de Escolas Oficiais de Minas Gerais (Adeomig), que consideraram que a proposta, embora não atinja o piso nacional já neste ano, sinaliza a vontade do Governo em chegar ao valor requerido pelos professores.

Entretanto, os docentes ainda aguardam a discussão do plano de carreira para a educação estadual. O Governo, em sua proposta, ofereceu aumento de 10,25% aos diretores de escola, a regulamentação do piso do magistério em lei estadual e a valorização da escolaridade, aumentando em 5% os vencimentos de quem tem mestrado e em 10% os de quem tem doutorado.

Atualmente, Minas Gerais tem cerca de 180 trabalhadores na educação básica.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247