Mineração deve injetar mais de US$ 7 bilhões em Minas até 2020

O diretor de Meio Ambiente do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Rinaldo Mancin, afirmou que Minas Gerais deve ficar com 40% – cerca de US$ 7,4 bilhões – dos US$ 18 bilhões previstos para serem investidos na mineração em todo o País, até 2020; de acordo com o dirigente, os investimentos em Minas, nos próximos cinco anos, envolvem a expansão, a abertura de novas plantas, a ampliação da exploração nas jazidas já existentes e a obras em infraestrutura para o escoamento da produção

O diretor de Meio Ambiente do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Rinaldo Mancin, afirmou que Minas Gerais deve ficar com 40% – cerca de US$ 7,4 bilhões – dos US$ 18 bilhões previstos para serem investidos na mineração em todo o País, até 2020; de acordo com o dirigente, os investimentos em Minas, nos próximos cinco anos, envolvem a expansão, a abertura de novas plantas, a ampliação da exploração nas jazidas já existentes e a obras em infraestrutura para o escoamento da produção
O diretor de Meio Ambiente do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Rinaldo Mancin, afirmou que Minas Gerais deve ficar com 40% – cerca de US$ 7,4 bilhões – dos US$ 18 bilhões previstos para serem investidos na mineração em todo o País, até 2020; de acordo com o dirigente, os investimentos em Minas, nos próximos cinco anos, envolvem a expansão, a abertura de novas plantas, a ampliação da exploração nas jazidas já existentes e a obras em infraestrutura para o escoamento da produção (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - O diretor de Meio Ambiente do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Rinaldo Mancin, afirmou que Minas Gerais deve ficar com 40% – cerca de US$ 7,4 bilhões – dos US$ 18 bilhões previstos para serem investidos na mineração em todo o País, até 2020. De acordo com o dirigente, os investimentos em Minas, nos próximos cinco anos, envolvem a expansão, a abertura de novas plantas, a ampliação da exploração nas jazidas já existentes e a obras em infraestrutura para o escoamento da produção.

A Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) apontou que a indústria mineira deve fechar 2017 com crescimento de cerca de 2,5% em relação ao ano anterior. A estimativa foi adiantada para o jornal Hoje em Dia, que publicou os relatos desta matéria. Em 2016, a queda da indústria do estado foi de 6,2%.

No setor industrial, os investimentos em médio prazo da mineração foram impulsionados pela melhora do desempenho da atividade extrativa. De acordo com a gerente de economia da Fiemg, Daniela Britto, o crescimento de 8,9% da atividade extrativa nos primeiros sete meses do ano são consequência do cenário internacional favorável, principalmente com o aumento da demanda chinesa pelo minério de ferro. A atividade caiu 15,4%.

“Desde 2017, o governo da China vem dando muitos estímulos ao setor de infraestrutura, principalmente à construção civil, que é um setor que demanda muito aço. Como o minério de ferro brasileiro é muito competitivo, isso tem favorecido a indústria”, afirmou Daniela.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247