Ministério da Saúde certifica mais uma sala de amamentação no Ceará

No Ceará já são 12 Salas de Apoio à Mulher Trabalhadora; hoje foi certificado o Hospital e Maternidade José Martiniano de Alencar, da rede pública estadual; a Sala de Apoio à Mulher Trabalhadora que Amamenta é um espaço adequado para fazer o desmame durante o expediente de trabalho e o acondicionamento e preservação do leite coletado para continuar a alimentação do filho com leite materno.

No Ceará já são 12 Salas de Apoio à Mulher Trabalhadora; hoje foi certificado o Hospital e Maternidade José Martiniano de Alencar, da rede pública estadual; a Sala de Apoio à Mulher Trabalhadora que Amamenta é um espaço adequado para fazer o desmame durante o expediente de trabalho e o acondicionamento e preservação do leite coletado para continuar a alimentação do filho com leite materno.
No Ceará já são 12 Salas de Apoio à Mulher Trabalhadora; hoje foi certificado o Hospital e Maternidade José Martiniano de Alencar, da rede pública estadual; a Sala de Apoio à Mulher Trabalhadora que Amamenta é um espaço adequado para fazer o desmame durante o expediente de trabalho e o acondicionamento e preservação do leite coletado para continuar a alimentação do filho com leite materno. (Foto: Fatima 247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ceará 247 - O Hospital e Maternidade José Martiniano de Alencar, da rede pública do Governo do Estado, recebeu nesta quinta-feira (28), a certificação do Ministério da Saúde pela implantação da Sala de Apoio à Mulher Trabalhadora que Amamenta. Com a nova sala, o Ceará passa a contar com 12 Salas de Apoio à Mulher Trabalhadora que Amamenta, em organizações públicas e privadas da estrutura de saúde do Estado. A Sala de Apoio à Mulher Trabalhadora que Amamenta é um espaço adequado para fazer o desmame durante o expediente de trabalho e o acondicionamento e preservação do leite coletado para continuar a alimentação do filho com leite materno.

As mães que trabalham e que amamentam nos primeiros seis meses têm direito, por lei, a duas pausas, de meia hora cada uma, para amamentar, ou a sair 1 hora mais cedo do trabalho, além da licença maternidade de 120 dias. A Sala de Apoio à Mulher Trabalhadora que Amamenta é um espaço adequado para fazer o desmame durante o expediente de trabalho e o acondicionamento e preservação do leite coletado para continuar a alimentação do filho com leite materno.

Apoio à amamentação

A primeira organização do Ceará, entre públicas e privadas, a assegurar um espaço de apoio à amamentação às funcionárias nutrizes foi o Hospital Infantil Albert Sabin, da rede pública estadual, em dezembro de 2012. O exemplo foi seguido pelo Hospital Geral de Fortaleza (HGF) e pela Maternidade Escola Assis Chateaubriand. Em 2015, o Ministério da Saúde fez a certificação da Secretaria da Saúde e de mais 10 hospitais do Ceará pela implantação de Salas de Apoio à Mulher Trabalhadora que Amamenta – Hospital Geral Dr. César Cals, Hospital Geral Waldemar Alcântara, Hospital Regional Unimed, Hospital São Camilo, Hosptial Regional Norte, em Sobral, Hospital Polo Jesus Maria José, de Quixadá, Hospital e Maternidade Fernando Raimundo de Sousa, de Horizonte, Hospital Municipal Dr. Amadeu Sá, do Eusébio, Hospital Polo São Vicente de Paula, de Barbalha, e Hospital Polo São Lucas, em Juazeiro do Norte.

As salas de apoio à amamentação são espaços dentro do local de trabalho em que a mulher, com conforto, privacidade e segurança, pode esvaziar as mamas, armazenando seu leite em frascos previamente esterilizados para, em outro momento, oferecê-lo ao filho. Esse leite é mantido em um freezer a uma temperatura controlada até o fim do dia, com uma etiqueta identificando o nome da mãe, a data e a hora da coleta. No fim do expediente, a mulher pode levar seu leite para casa para que seja oferecido ao seu filho na sua ausência, e também se desejar doá-lo para um Banco de Leite Humano. É uma estratégia do Ministério da Saúde que consiste em criar nas empresas públicas e privadas uma cultura de respeito e apoio à amamentação como forma de promover a saúde da mulher trabalhadora e do bebê.

 

Com informações da Coordenadoria de imprensa do Governo do Estado

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247