MP arquiva ação contra Serra sobre Rodoanel

Por 5 votos a 3, Conselho Superior do Ministério Público de São Paulo confirmou o arquivamento de um inquérito civil aberto em 2009 por suposto ato de improbidade administrativa no desabamento de vigas nas obras do Trecho Sul do Rodoanel Mário Covas; representação foi protocolada pelo deputado estadual Rui Falcão, então líder da bancada do PT na Assembleia Legislativa

Por 5 votos a 3, Conselho Superior do Ministério Público de São Paulo confirmou o arquivamento de um inquérito civil aberto em 2009 por suposto ato de improbidade administrativa no desabamento de vigas nas obras do Trecho Sul do Rodoanel Mário Covas; representação foi protocolada pelo deputado estadual Rui Falcão, então líder da bancada do PT na Assembleia Legislativa
Por 5 votos a 3, Conselho Superior do Ministério Público de São Paulo confirmou o arquivamento de um inquérito civil aberto em 2009 por suposto ato de improbidade administrativa no desabamento de vigas nas obras do Trecho Sul do Rodoanel Mário Covas; representação foi protocolada pelo deputado estadual Rui Falcão, então líder da bancada do PT na Assembleia Legislativa (Foto: Roberta Namour)

247 – O ex-governador José Serra está oficialmente livre de um inquérito civil aberto pelo Ministério Público de São Paulo em 2009 por suposto ato de improbidade administrativa no desabamento de vigas nas obras do Trecho Sul do Rodoanel Mário Covas.

O Conselho Superior arquivou o caso pelo placar de 5 votos a 3, na sessão do dia 26 de agosto. Nesta terça feira, o colegiado aprovou a ata com a homologação, segundo reportagem de Fausto Macedo.

Na época, a representação contra Serra foi protocolada pelo deputado estadual Rui Falcão, então líder da bancada do PT na Assembleia Legislativa e atual presidente nacional do PT.

Ele atribuiu episódio à falta de fiscalização das obras, alterações contratuais em prejuízo do interesse público, uso inadequado de materiais e pressa na inauguração “por razões eleitorais”.

A Procuradoria Geral de Justiça, no entanto, descartou “relação de causa e efeito entre o acidente do dia 13 de novembro de 2009 e os aditivos contratuais invocados” (leia mais).

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247