MP denuncia quatro ex-dirigentes do Metrô de SP por improbidade

Ministério Público de São Paulo propôs ação de improbidade administrativa contra quatro ex-dirigentes do Metrô por lesão ao erário e enriquecimento ilícito na contratação, sem licitação, da da MGE Equipamentos Ferroviários; a empresa integrava o cartel metroferroviário que atuou em São Paulo durante os governos de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin, todos do PSDB; MP pede a condenação do ex-presidente do Metrô, Sérgio Avelleda (na época, gerente jurídico); do então gerente de contratações e compras Sérgio Corrêa Brasil, do então gerente de custos e controle José Jorge Fagali e do gerente de manutenção Nelson Scaglione, além da própria MGE

Ministério Público de São Paulo propôs ação de improbidade administrativa contra quatro ex-dirigentes do Metrô por lesão ao erário e enriquecimento ilícito na contratação, sem licitação, da da MGE Equipamentos Ferroviários; a empresa integrava o cartel metroferroviário que atuou em São Paulo durante os governos de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin, todos do PSDB; MP pede a condenação do ex-presidente do Metrô, Sérgio Avelleda (na época, gerente jurídico); do então gerente de contratações e compras Sérgio Corrêa Brasil, do então gerente de custos e controle José Jorge Fagali e do gerente de manutenção Nelson Scaglione, além da própria MGE
Ministério Público de São Paulo propôs ação de improbidade administrativa contra quatro ex-dirigentes do Metrô por lesão ao erário e enriquecimento ilícito na contratação, sem licitação, da da MGE Equipamentos Ferroviários; a empresa integrava o cartel metroferroviário que atuou em São Paulo durante os governos de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin, todos do PSDB; MP pede a condenação do ex-presidente do Metrô, Sérgio Avelleda (na época, gerente jurídico); do então gerente de contratações e compras Sérgio Corrêa Brasil, do então gerente de custos e controle José Jorge Fagali e do gerente de manutenção Nelson Scaglione, além da própria MGE (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SP 247 - O Ministério Público de São Paulo propôs ação de improbidade administrativa na Justiça contra quatro ex-dirigentes do Metrô na contratação sem licitação, em 2005, da MGE Equipamentos Ferroviários, que é uma das empresas que integravam o cartel metroferroviário que teria atuado em São Paulo durante os governos de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin, todos do PSDB.

O promotor Otávio Ferreira Garcia, autor da ação, pede a condenação do ex-presidente do Metrô, Sérgio Avelleda (na época, gerente jurídico); do então gerente de contratações e compras Sérgio Corrêa Brasil, do então gerente de custos e controle José Jorge Fagali e do gerente de manutenção Nelson Scaglione, além da própria MGE, por violação aos artigos 10 e 11 da Lei de Improbidade – lesão ao erário e enriquecimento ilícito.

O promotor pede ainda o ressarcimento integral do dano material causado, correspondente à devolução integral de todos os valores despendidos pelo Metrô – R$ 7,3 milhões corrigidos. De acordo com o MP, o processo de contratação da MGE foi 'viciado' para favorece-la.

Segundo a ação, em setembro de 2004, Nélson Scaglione firmou justificativa técnica para a contratação de serviços de engenharia para reparo em motores de tração utilizados nas Linhas l-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha. O valor foi orçado em R$ 5,57 milhões 'sem que tivesse sido realizada prévia e ampla pesquisa de mercado'. O promotor afirma que o contrato foi baseado 'apenas em estudo comparativo de preços unitários de contratos anteriores, sem que nenhuma outra empresa atuante no mercado tivesse sido consultada'.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247