MP notifica vereadores por suposto desvio de verba parlamentar

Dando continuidade às investigações de desvio de Verba de Desempenho Parlamentar (VDP), o Ministério Público do Ceará irá notificar os 43 vereadores de Fortaleza, além de servidores da Câmara Municipal e dos Correios. Os promotores de Justiça estão apurando um desvio de aproximadamente R$ 11 milhões

Dando continuidade às investigações de desvio de Verba de Desempenho Parlamentar (VDP), o Ministério Público do Ceará irá notificar os 43 vereadores de Fortaleza, além de servidores da Câmara Municipal e dos Correios. Os promotores de Justiça estão apurando um desvio de aproximadamente R$ 11 milhões
Dando continuidade às investigações de desvio de Verba de Desempenho Parlamentar (VDP), o Ministério Público do Ceará irá notificar os 43 vereadores de Fortaleza, além de servidores da Câmara Municipal e dos Correios. Os promotores de Justiça estão apurando um desvio de aproximadamente R$ 11 milhões (Foto: Rodrigo Rocha)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ceará247 - Os vereadores da atual legislatura em Fortaleza, seis servidores da Câmara Municipal - atualmente afastados de suas funções por decisão judicial - e funcionários dos Correios serão notificados pelo Ministério Público do Ceará e pela Procuradoria dos Crimes contra a Administração Pública (Procap). O motivo é a continuidade das investigações sobre a aplicação da Verba de Desempenho Parlamentar (VDP) na CMF.

Nos autos do Procedimento Investigativo Criminal (PIC) nº 01/2015, que é um desdobramento das investigações que culminaram com o oferecimento de denúncia contra os ex-vereadores Antônio Farias de Sousa, o “Aonde É”, e Leonel Alencar Júnior, o “Leonelzinho Alencar”, os promotores de Justiça estão apurando um desvio de aproximadamente R$ 11 milhões da VDP. Tal prática se desenvolveu pelo menos nos últimos sete anos, mediante apresentação de recibos falsos dos Correios para justificar despesas dos gabinetes dos vereadores.

A investigação está sendo conduzidas pelos promotores de Justiça Lucy Antoneli D. A. G. da Rocha, Fernanda Andrade Mendonça, Herton Ferreira Cabral, Luiz Alcântara Costa Andrade, Marcus Vinícius A. de Oliveira e Ricardo de Lima Rocha. Nessa investigação, foram presos preventivamente, por ordem judicial, Francisco Elias Santos Salomão, ex-diretor da VDP na CMF, e Antônio José Monteiro Cunha, proprietário da AJ Serviços e Suprimentos de Informática Ltda., antiga franqueada dos Correios. Também foram cumpridos mandados de busca e apreensão na residência e sede das empresas desses dois investigados. 

Segundo os promotores de Justiça responsáveis pela investigação, Cunha fornecia recibos falsos para Salomão mesmo depois de sua empresa ter deixado de ser franqueada dos Correios, o que ocorreu em abril de 2013. A partir da análise da movimentação bancária de vários investigados, os promotores de Justiça descobriram que o dinheiro desviado passava pelas contas correntes de Cunha e de pessoas ligadas a funcionários dos Correios, sendo depois entregues, geralmente em espécie, a Salomão.

Empresas ligadas a Salomão e Cunha, em que familiares deles figuravam como sócios, também eram usadas para repasse do dinheiro desviado. Outras linhas de investigação relacionadas ao desvio da VDP envolvem despesas fictícias de passagens aéreas e terrestres, locação de veículos, material gráfico, dentre outras. Os promotores de Justiça pretendem desvendar se o dinheiro desviado era repassado por Salomão a outros participantes do esquema criminoso. Não está afastada a hipótese de que sejam requeridas novas prisões provisórias e indisponibilidade de bens de investigados.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247