MPE investiga gastos do Estado e da Prefeitura de Palmas com publicidade

Ministério Público Estadual (MPE) instaurou nesta quinta-feira, 16, dois inquéritos civis para investigar o volume de gastos com publicidade realizados pelo Estado do Tocantins e pelo município de Palmas; pelo governo, alvo será contrato de R$ 41 milhões com serviços de publicidade em 2016, a serem executados por cinco agências; já quanto ao município, um contrato assinado em 2015 e prorrogado em 2016 prevê gastos de R$ 12 milhões nos dois anos, sendo o serviço executado por uma única agência

Ministério Público Estadual (MPE) instaurou nesta quinta-feira, 16, dois inquéritos civis para investigar o volume de gastos com publicidade realizados pelo Estado do Tocantins e pelo município de Palmas; pelo governo, alvo será contrato de R$ 41 milhões com serviços de publicidade em 2016, a serem executados por cinco agências; já quanto ao município, um contrato assinado em 2015 e prorrogado em 2016 prevê gastos de R$ 12 milhões nos dois anos, sendo o serviço executado por uma única agência
Ministério Público Estadual (MPE) instaurou nesta quinta-feira, 16, dois inquéritos civis para investigar o volume de gastos com publicidade realizados pelo Estado do Tocantins e pelo município de Palmas; pelo governo, alvo será contrato de R$ 41 milhões com serviços de publicidade em 2016, a serem executados por cinco agências; já quanto ao município, um contrato assinado em 2015 e prorrogado em 2016 prevê gastos de R$ 12 milhões nos dois anos, sendo o serviço executado por uma única agência (Foto: Aquiles Lins)

Tocantins 247 - O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou, nesta quinta-feira, 16, dois inquéritos civis a fim de investigar o volume de gastos com publicidade realizados pelo Estado do Tocantins e pelo município de Palmas, que podem estar ocorrendo em prejuízo de serviços públicos essenciais, como os das áreas de saúde, educação e assistência social.

Abertos pela 9ª Promotoria de Justiça da Capital, os inquéritos civis citam que o contrato firmado pelo governo do Estado em março de 2016 prevê gasto anual na ordem de R$ 41 milhões com serviços de publicidade, a serem executados por cinco agências. Quanto ao município, um contrato assinado em 2015 e prorrogado em 2016 prevê gastos de R$ 12 milhões nos dois anos, sendo o serviço executado por uma única agência.

Os inquéritos civis, assinados pelo Promotor de Justiça Edson Azambuja, consideram que, em um cenário de escassez de recursos, cabe ao gestor público otimizar a alocação de modo a satisfazer as necessidades mais urgentes da população.

No que se refere ao Estado, lembra que a administração alega grave crise financeira, que prejudica a prestação de serviços de saúde, o pagamento dos servidores públicos, o curso de formação dos candidatos aprovados no concursos da Cidadania e Justiça, entre outras situações. Diante desse quadro, é recomendado ao Secretário da Comunicação Social que se abstenha de veicular propagandas institucionais que não possuam caráter efetivamente educativo, informativo ou de orientação social.

No caso de Palmas, o inquérito civil lembra que o município vivencia a desativação de três Centros de Referência da Assistência Social (Cras) e que outros sete funcionam precariamente, que existem casos de indisponibilidade de medicamentos nas unidades básicas de saúde e que a falta de recursos tem afetado a nomeação dos servidores públicos para cargos da Saúde, da Educação e da Administração, aprovados no último concurso do Quadro Geral. (Da Ascom MPE)

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247