MPF: Zé Gomes é ficha suja e não pode presidir Saneago

Procurador da República Helio Telho enviou documento a Marconi Perillo recomendando a suspensão da posse do ex-prefeito de Itumbiara na Presidência da Saneago, marcada para esta quarta-feira; Ministério Público Federal alega que, ao nomeador o aliado, governador estaria ferindo lei estadual sancionada por ele próprio instituindo a ficha limpa estadual; procurador sustenta que o ex-deputado está inelegível, pois foi condenado pelo TRF e pelo STJ por pagar salários de jogadores do time do Itumbiara com verba do Gabinete da Câmara Federal; há recurso em trâmite no STF

MPF: Zé Gomes é ficha suja e não pode presidir Saneago
MPF: Zé Gomes é ficha suja e não pode presidir Saneago
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247_ A nomeação do ex-prefeito de Itumbiara, José Gomes da Rocha (PP), para a presidência da Saneago, já virou polêmica. Nas redes sociais há um movimento contra a nomeação, pois Zé Gomes seria ficha suja. Como o governador Marconi Perillo baixou decreto da Lei da Ficha Limpa na administração estadual, nomear Gomes na estatal seria ferir a lei que ele mesmo resolveu adotar.

O Ministério Público Federal, por meio do procurador Helio Telho, já enviou documento ao governador em que recomenda que Zé Gomes não seja nomeado. A posse do ex-prefeito está marcada para esta quarta-feira.

O primeiro argumento de Telho é que nomear o pepista vai contra o decreto Ficha Limpa assinado por Perillo em 2012. Na sequência, ele mostra a condenação de Zé Gomes, que o tornaria ficha sua.

“CONSIDERANDO que José Gomes da Rocha foi condenado à suspensão dos direitos políticos pelo prazo de oito anos, por sentença prolatada no bojo da ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa n° 1998.35.00.009633-1, a qual tramitou na 7' Vara Federal da Seção Judiciária do Estado de Goiás, por haver promovido, no exercício dos cargos de Deputado Federal e de Presidente do Itumbiara Esporte Clube, a contratação de jogadores e outras pessoas, que, não obstante pagas com verbas da Câmara dos Deputados, ficavam à disposição do clube de futebol;”, justifica o procurador no documento.

Gomes, que já foi condenado por dois tribunais colegiados, o Tribunal Regional Federal (TRF) e o Superior Tribunal de Justiça (STJ), alega que não se enquadra nos princípios da ficha-limpa porque ainda tramita recurso no Supremo Tribunsl Federal (STF).

O procurador ainda afirma que Gomes está inelegível.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email