MST denuncia invasão da PM a acampamento no Ceará; há barricadas

O MST denunciou em seu perfil no twitter que a Polícia Militar invadiu na manhã desta quarta (21) o acampamento na Chapada do Apodi, no interior do CE, para despejar mais de 150 famílias que residem na área há quatro anos; as famílias montaram uma barricada para impedir o despejo.

MST denuncia invasão da PM a acampamento no Ceará; há barricadas
MST denuncia invasão da PM a acampamento no Ceará; há barricadas (Foto: MST)

247 - O MST denunciou em seu perfil no twitter que a Polícia Militar invadiu na manhã desta quarta (21) o acampamento na Chapada do Apodi, no interior do CE, para despejar mais de 150 famílias que residem na área há quatro anos. As famílias montaram uma barricada para impedir o despejo.

 

A página do MST informava desde ontem (terça) a iminência da invasão de relatava a situação no local e a história da ocupação: 

Mais uma vez, o Acampamento Zé Maria do Tomé, localizado na Chapada do Apodi, no Município de Limoeiro do Norte do Ceará, após 5 anos de luta, está com o mandado de despejo, que está previsto para acontecer nesta quarta-feira (21).

O Perímetro Jaguaribe Apodi foi implantado no final da década de 1980, quando ocorreu a expropriação, expulsão e desmantelamento da produção de cerca de 6 mil famílias da região, que antes produziam alimentos e mantinham relações de identidade com o território.

Apenas 316 agricultores conseguiram entrar na I etapa do projeto irrigado, destes, 255 foram expulsos, ou seja, o equivalente a 81% de expropriação, segundo estudo realizado pela Universidade Estadual do Ceará/FAFIDAM. Esse processo levou a luta desses agricultores pelo acesso à terra.

Para Iris Carvalho da coordenação do MST, "a ocupação da Chapada do Apodi aconteceu com a intenção dos trabalhadores/as retomarem suas terras, de plantar, de garantir o acesso a terra, a água, por isso exigimos uma solução imediata do governo estadual e federal para resolução do despejo e desapropriação imediata".

Carvalho lembra que "esse não é o primeiro mandado de despejo, vieram outros antes desse. Aqui as famílias vivem sob constante ameaça de despejo".

Com o avanço do golpe parlamentar, jurídico e midiático de 2016, que retirou a presidenta Dilma Rousseff do governo, e com eleição do neofascista Jair Bolsonaro nas recém eleições 2018, as forças reacionárias do judiciário, do agronegócio e do capital se voltam contra os trabalhadores/as para concretizar de forma mais agressiva a retirada dos seus direitos sociais.

Nos últimos meses, as famílias Sem Terra tem sofrido uma ofensiva de despejos dos acampamentos, inclusive em áreas já negociadas com o Governo do Estado e Governo Federal de serem desapropriadas para fins de Reforma Agrária, entre elas, o Acampamento 17 de Abril/Canafistula no Município de Santana do Acaraú, Acampamento Zé Wilson no Município de Lavras da Mangabeira, Acampamento Vida Nova no Município de Mauriti e Zé Maria do Tomé/Chapada do Apodi no Município de Limoeiro do Norte.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247