MST repudia exoneração de superintendente do Incra/SE

A coordenação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Sergipe emitiu nota nesta sexta (1º) em repúdio à exoneração do superintendente do Incra no Estado, André Ferreira Bomfim, realizada pelo governo interino de Michel Temer;  "O Incra Sergipe nunca foi uma indicação política, mas uma indicação a partir de compromissos com os movimentos sociais e a questão da Reforma Agrária", diz o documento; "As medidas adotadas por esse governo interino, ilegítimo, em pouco mais de um mês já mostram o retrocesso, a exemplo do fim do Ministério do Desenvolvimento Agrário", critica

A coordenação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Sergipe emitiu nota nesta sexta (1º) em repúdio à exoneração do superintendente do Incra no Estado, André Ferreira Bomfim, realizada pelo governo interino de Michel Temer;  "O Incra Sergipe nunca foi uma indicação política, mas uma indicação a partir de compromissos com os movimentos sociais e a questão da Reforma Agrária", diz o documento; "As medidas adotadas por esse governo interino, ilegítimo, em pouco mais de um mês já mostram o retrocesso, a exemplo do fim do Ministério do Desenvolvimento Agrário", critica
A coordenação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Sergipe emitiu nota nesta sexta (1º) em repúdio à exoneração do superintendente do Incra no Estado, André Ferreira Bomfim, realizada pelo governo interino de Michel Temer;  "O Incra Sergipe nunca foi uma indicação política, mas uma indicação a partir de compromissos com os movimentos sociais e a questão da Reforma Agrária", diz o documento; "As medidas adotadas por esse governo interino, ilegítimo, em pouco mais de um mês já mostram o retrocesso, a exemplo do fim do Ministério do Desenvolvimento Agrário", critica (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A coordenação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Sergipe emitiu nota nesta sexta-feira (1º) em repúdio à exoneração do superintendente do Incra no Estado, André Ferreira Bomfim, realizada pelo governo interino de Michel Temer;  

"O Incra Sergipe nunca foi uma indicação política, mas uma indicação a partir de compromissos com os movimentos sociais e a questão da Reforma Agrária. Tomamos como surpresa a exoneração do então superintendente do Incra, André Ferreira Bomfim, publicada no Diário Oficial da União (DOU), na madrugada desta sexta-feira, dia 01 de julho. As medidas adotadas por esse governo interino, ilegítimo, em pouco mais de um mês já mostram o retrocesso, a exemplo do fim do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Não aceitamos o fim desse importante Ministério e as consequentes perdas para as famílias assentadas, acampadas, quilombolas e indígenas", diz o documento.

Abaixo a nota na íntegra:

NOTA DE REPÚDIO À EXONERAÇÃO
DO SUPERINTENDENTE DO INCRA-SE


Desde o fim da ditadura, com a redemocratização do Brasil, todos os superintendentes do INCRA no Estado que passaram tiveram respeito e entendimento com os movimentos sociais do campo. Vários deles, incluindo o recém-exonerado, André Ferreira Bomfim, foi indicado com apoio de todos os movimentos e servidores, que foi a prática do Governo Lula e do Governo Dilma Rousseff. O INCRA Sergipe nunca foi uma indicação política, mas uma indicação a partir de compromissos com os movimentos sociais e a questão da Reforma Agrária.

Tomamos como surpresa a exoneração do então superintendente do Incra, André Ferreira Bomfim, publicada no Diário Oficial da União (DOU), na madrugada desta sexta-feira, dia 01 de julho.

Em reunião da Coordenação Estadual do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), realizada no dia de hoje, aprovamos uma Nota de Repúdio à exoneração do superintendente do INCRA/SE.

As medidas adotadas por esse governo interino, ilegítimo, em pouco mais de um mês já mostram o retrocesso, a exemplo do fim do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Não aceitamos o fim desse importante Ministério e as consequentes perdas para as famílias assentadas, acampadas, quilombolas e indígenas.

Nosso Estado sempre lutou para que se evitasse a violência no campo e construísse uma relação de respeito com os poderes públicos, os movimentos sociais e o fortalecimento da reforma agrária. Não temos dúvida nenhuma que esta nomeação representa a volta dos conflitos no campo e a perseguição aos movimentos sociais.

Reiteramos a nossa autonomia e compromisso do movimento de luta pela reforma agrária e solidariedade à luta de todos os movimentos e não aceitaremos nenhum tipo de retrocesso.


01 de julho de 2016

Coordenação Estadual
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247